Você está visualizando atualmente Amazonas Energia deve pagar R$ 58 milhões de indenização por apagão em Iranduba e Manacapuru

Amazonas Energia deve pagar R$ 58 milhões de indenização por apagão em Iranduba e Manacapuru

A Força-Tarefa do Consumidor apresentou pedido de indenização à Justiça por danos morais coletivos contra a Amazonas Energia por conta do apagão elétrico que atingiu as cidades de Iranduba e Manacapuru na segunda quinzena de julho deste ano. O valor a ser cobrado à Amazonas energia é de R$ 58,7 milhões.

De acordo com os integrantes da Força-Tarefa composta pela Defensoria Pública do Estado (DPE), Ministério Público (MP-AM) e Comissão de Defesa do Consumidor da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam). Aproximadamente 200 mil habitantes da Região Metropolitana de Manaus foram afetadas pelos apagões.

A Força-Tarefa pede que R$ 41,1 milhões sejam destinados pela própria Amazonas Energia para a realização de melhorias e investimentos no sistema de distribuição e fornecimento de energia elétrica aos municípios afetados pelo apagão. Os outros R$ 17,6 milhões deve ser revertido para o Fundo Estadual de Defesa do Consumidor, de acordo com o pedido.

Segundo o defensor público Thiago Rosas, a ação visa buscar não só a compensação pelos danos morais coletivos causados, mas também a melhoria do serviço prestado aos consumidores afetados pelo blecaute.

“Esses 70% devem ser revertidos em obras, a fim de que não ocorra mais o que aconteceu no último apagão. O investimento precisa ser comprovado pela empresa, sendo o cumprimento da obrigação de pagar condicionado ao envio de relatórios trimestrais sobre os gastos realizados”, explica Thiago Rosas, que é titular da Defensoria Pública Especializada de Interesses Coletivos.

Para a definição do valor da indenização, a Força-Tarefa considerou a duração do apagão e a quantidade de pessoas afetadas. Iranduba e Manacapuru ficaram sem energia elétrica por cerca de 288 horas entre os dias 19 e 30 de julho deste ano, prejudicando aproximadamente 200 mil habitantes da Região Metropolitana de Manaus.

Deixe um comentário