Você está visualizando atualmente Após Tarumã, organização pede retirada de flutuantes do Educandos em Manaus

Após Tarumã, organização pede retirada de flutuantes do Educandos em Manaus

Após Tarumã, organização pede retirada de flutuantes do Educandos em Manaus

O Instituto de Cidadania e Desenvolvimento Social do Estado do Amazonas (ICDSAM) pediu que a Justiça mande retirar os flutuantes da orla do Educandos, em Manaus. A solicitação foi feita na ação que discute a retirada das estruturas do Tarumã-Açu.

Os flutuantes do Tarumã, inclusive, devem começar a ser retirados na próxima semana. A ação da prefeitura veio após a Justiça mandar que a administração municipal tire as estruturas com apoio da Polícia Militar e sob pena de pagar multa de R$ 15 milhões pelo não cumprimento da decisão.

A Defensoria Pública do Amazonas (DPE-AM) ingressou com um pedido tentando barrar a retirada. No entanto, no domingo (17), a justiça negou.

Agora, segundo o ICDSAM, a orla do Educandos está sendo invadida por flutuantes vindos de outras áreas da cidade, inclusive do Tarumã-Açu. As estruturas, segundo o instituto, “não dispõem dos equipamentos de despejos e resíduos sólidos, que são jogados nas águas já poluídas do igarapé do Educandos”.

“Além de produzirem poluição ambiental, ainda produzem poluição visual na frente da cidade de Manaus, prejudicando o turismo. […] assim, vossa excelência, estará livrando a cidade de Manaus do retorno da malfadada cidade flutuante de triste memória”, disse o instituto.

Prefeitura informa sobre a retirada

Na semana passada, a Prefeitura começou a informar os donos de flutuantes sobre o início da remoção das estruturas do Tarumã-Açu, em Manaus. Outdoors com informações sobre a retirada foram instalados na Zona Oeste da capital. No dia 29 de fevereiro, a Justiça havia dado um prazo de 10 dias para que as estruturas fossem retiradas do local e desmontadas.

As placas informam que “a partir de 10 dias, a contar desta sexta-feira”, será dado início à operação de retirada.

Os primeiros flutuantes que serão retirados são os que estão abandonados, segundo a decisão. Logo depois removidos os flutuantes de uso exclusivo para lazer, hospedagem e aqueles com destinação comercial (oficinas e garagens de barcos, embarcações e veículos náuticos).

Os flutuantes utilizados como habitação, serão os últimos a serem alcançados pela determinação.

Fonte: G1 Amazonas

Deixe um comentário