“Caravana Lula Livre” em Manaus, teve Haddad defendendo educação, universidades, Zona Franca e desenvolvimento da região

“Caravana Lula Livre” em Manaus, teve Haddad defendendo educação, universidades, Zona Franca e desenvolvimento da região

“Caravana Lula Livre” em Manaus, teve Haddad defendendo educação, universidades, Zona Franca e desenvolvimento da região

A “Caravana Lula Livre” esteve na última  quinta-feira (23) em Manaus com o candidato à presidência da República pelo Partido dos Trabalhadores (PT) nas eleições 2018 e ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, com várias agendas a cumprir, junto com estudantes, a militância, apoiadores e movimentos sociais. “Meio ambiente, educação e geração de emprego é o que nos traz aqui à Amazônia, para sermos ouvidos pelos trabalhadores, estudantes e professores”, declarou Haddad, que está percorrendo várias capitais do país, reforçando as lutas pela liberdade do ex-presidente Lula, considerado preso político para milhões de brasileiros e brasileiras; contra a Reforma da Previdência e demais ações e retrocessos do atual Governo Federal, que prejudicam a população; e em defesa das escolas e universidades públicas do país.

Anúncios

As agendas iniciaram com visita à empresa Moto Honda. Ele destacou que a Zona Franca de Manaus é fundamental para a região. “Quem ataca a Zona Franca não entende de economia. Como se manter fábrica aqui em Manaus, com custo grande de logística para se trazer componentes e depois tendo que exportar o produto manufaturado, sem incentivo fiscal? Se Bolsonaro fizer isso, vai acabar com a Amazônia. E sabe o que irá sobrar? Somente mineral e vegetal para extrair e desmatar, sendo as únicas fontes de renda. Irão gerar pobreza, em vez de riqueza”, disse Haddad, reforçando que a bancada do PT no Congresso Nacional se posicionará contrária às medidas do Governo Bolsonaro que prejudicarem esse modelo econômico.

O ponto alto da visita de Fernando Haddad foi a “barqueata” realizada com a militância, apoiadores, especialistas e ambientalistas nos rios Negro e Solimões. No meio do encontro das águas, foi aberta uma grande bandeira escrito “Lula Livre”, seguindo os barcos para a comunidade Cidade Flutuante, no Lago do Catalão, local que retrata a realidade ribeirinha da Amazônia e também beneficiada por ações dos governos do PT, como os Programas Luz para Todos e Caminho da Escola, hoje quase paralisados. Houve falas e manifestações contra todos os retrocessos do Governo Bolsonaro.

“Estamos aqui contra os ataques do Bolsonaro contra a educação, tanto aos professores quanto aos estudantes. Vocês viram que depois das manifestações, quando mais de um milhão de pessoas foram às ruas defender a educação neste país, ele começou a voltar atrás nos cortes. E também defenderemos o meio ambiente. Bolsonaro não entende que, com a tecnologia, você consegue gerar emprego sem a necessidade de destruir o meio ambiente. Porque tem concepção antiga de economia, que é emprego gerado com desmatamento e com a exploração mineral em área de reserva ambiental e indígena. Isso não se faz mais e nós provamos isso quando estivemos nesse governo”, afirmou Haddad.

Durante coletiva de imprensa, ele declarou que, além dessas pautas especificas, a caravana tem por objetivo construir uma rodada de discussão sobre a situação política e econômica do País, que está retirando direitos constitucionais da população. “Em apenas quatro meses esse novo governo apresentou o maior projeto de atraso para o Brasil. Jogam o país de volta a 30, 40, 50 ano atrás. São retrocessos na Saúde, na Educação, Direitos Humanos, Meio Ambiente. O povo quer discutir e quer promover esses debates. Se apenas nós estivermos conscientes do que está acontecendo, nós não vamos transformar o país”. E à tarde, a agenda seguiu com estudantes e professores da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), ainda em defesa da educação e contra todos os cortes de recursos.

Deixe um comentário