Caso Lucas Guimarães | Mãe de sargento acusa casal de ter sido mandante da morte do filho

Caso Lucas Guimarães | Mãe de sargento acusa casal de ter sido mandante da morte do filho

Caso Lucas Guimarães | Mãe de sargento acusa casal de ter sido mandante da morte do filho

Anúncios

A mãe do sargento Lucas Guimarães, morto a tiros em uma cafeteria no dia 1º de setembro, divulgou uma carta aberta nesta terça-feira (30), onde desabafa sobre o andamento do caso. Em seu relato, Livânia Guimarães afirma que não tem dúvidas de que os culpados sejam o casal de empresários, Joabson Gomes e Jordana Freire, principais suspeitos de ordenarem o crime, e diz ainda que acredita nos trabalhos da Polícia e da Justiça do Amazonas.

“Ele foi vítima de um casal que não temos dúvidas de serem os culpados, ratificadamente principais suspeitos para a Polícia. Estes são cônjuges que todos desta cidade conhecem, que não souberam resolver os problemas maritais e que acharam como solução matar meu filho. Mas, ironicamente, o real problema deles continua vivo: a traição. Matar alguém não resolve problema algum, cria-se outro. Agora eles terão que enfrentar de fato seus reais problemas além dos que criaram”, relata.

Na carta, Livânia destaca o trabalho das Forças de Segurança, que trabalham de forma integrada para elucidação do caso. Segundo ela, seu filho hoje representa todos os militares do Exército Brasileiro e a Força de Segurança do estado, representada pelos policiais. “Essa força foi afrontada! Quem defende a pátria e a sociedade tem direito de ser defendido e protegido também. Mata-se um militar e fica por isso mesmo? NÃO! Não… e não!”, desabafou a mãe do sargento.

Em seguida, Livânia comenta sobre o assassino confesso do crime, Silas Ferreira da Silva, preso no dia 22 de novembro. Segundo a polícia, ele confessou na delegacia que recebeu R$ 65 mil para executar o crime, e gastou R$ 5 mil desse valor na compra de uma motocicleta e o resto em festas, drogas e bebidas.

Livânia também cita comentários do titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), delegado Ricardo Cunha, sobre a prisão de Silas, e destaca que acredita nas palavras do delegado e que a Especializada faz um trabalho sério. “As investigações estão todas muito bem delineadas. As investigações não vão parar e estão em andamento para fazer a ligação com possíveis mandantes do crime… Já se tem muito material levantado”, afirmou o delegado.

Em seguida, a mãe do sargento convida estudantes e professores de Direito e de outras áreas das Ciências Humanas a acompanharem e terem como objeto de estudo e conhecimento o caso da morte do Sargento Lucas. Segundo Livânia, as peças do caso são relevantes para a aplicabilidade do Direito Criminal, e ainda para construir um pensamento crítico acerca da política de segurança, além de possibilitar também a análise comportamental pelo perfil psicológico dos envolvidos no crime.

Por fim, Livânia encerra a carta trazendo a mensagem de que é preciso descontruir o pensamento que muitos afirmam que “em nosso país, quem tem dinheiro compra as leis, manipula e sai impune”. “É importante entender que pessoas de alto poder aquisitivo, assim como as que não o têm – que são a maioria – possuem o mesmo direito à justiça feita por homens e mulheres que sabem qual papel a exercer perante a lei”, afirmou.

“Quero aproveitar para agradecer às pessoas que se sensibilizaram com nosso sofrimento e estão sendo empáticas conosco, colaborando e manifestando o pedido por justiça. Somente somando forças pelo que é justo e verdadeiro conseguiremos transformar nossas vidas para melhor”, finalizou a mãe do sargento, destacando um versículo bíblico que afirma que o fruto da justiça será a paz.

Deixe um comentário