Você está visualizando atualmente CNM mostra que 74% dos prefeitos do Amazonas concorrem à reeleição

CNM mostra que 74% dos prefeitos do Amazonas concorrem à reeleição

CNM mostra que 74% dos prefeitos do Amazonas concorrem à reeleição

Nas eleições deste ano, com primeiro e segundo turno nos dias 15 e 29 de novembro, dos 62 prefeitos do Amazonas que exercem o cargo atualmente, 46, o equivalente a 74,19%, vão disputar a reeleição do mandato. Esse número poderia ser maior, já que na eleição de 2016, houve uma renovação de prefeitos em torno de 90,32%, quando 56 novos prefeitos foram eleitos. Isso significa que dez gestores, ou 17,85% dos que poderiam se reeleger, optaram por não entrar na disputa em 2020.

Os dados, reunidos pela Confederação Nacional de Municípios (CNM) no estudo Eleições municipais em 2020 – Candidatos à reeleição, são parte de uma série de levantamentos técnicos para análise e divulgação de informações do pleito.

Dados nacionais

As eleições municipais deste ano têm 19.164 candidaturas a prefeito (a), registradas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Apesar de parecer significativo, desde o primeiro pleito eleitoral municipal em que foi permitida a reeleição, em 2000, esse é o segundo percentual mais baixo de desistentes. Em 2008, 833 (19,86%) dos 4.194 prefeitos que poderiam permanecer no posto, em um segundo mandato, desistiram.

“Os gestores em primeiro mandato estão presentes em quantidades bastante expressivas em todos os Estados”, observa o estudo. Mas, em alguns, quase a totalidade dos atuais prefeitos tinham este direito, como Rondônia (96%), Roraima (93%), Acre (91%), Rio de Janeiro e Amazonas (90%). Os de menor percentual são a Paraíba e o Piauí, com 70% e 69% respectivamente – “que mesmo assim representam a maioria dos Municípios”, ressalva a CNM.

Ao analisar a série histórica, a entidade explica que, nas primeiras disputas locais com reeleição, em média, 62% dos que pleiteavam a continuidade no governo obtiveram sucesso. Entretanto, no último pleito, em 2016, esta média caiu bastante. Isso provocou um aumento na quantidade de cidades que podem reeleger seus mandatários nas próximas eleições.

Confira o estudo completo aqui.

*Com dados do Portal O Poder

Deixe um comentário