Você está visualizando atualmente Confronto de manifestantes na Paulista, em São Paulo, gerou opinião da bancada do Amazonas

Confronto de manifestantes na Paulista, em São Paulo, gerou opinião da bancada do Amazonas

Confronto de manifestantes na Paulista, em São Paulo, gerou opinião da bancada do Amazonas

A avenida Paulista transformou-se em palco de um confronto entre a Polícia Militar e participantes de um ato organizado por torcidas organizadas de futebol, entre elas a do Corinthians e do Palmeiras, que criticavam o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e diziam estar em defesa da democracia.

O confronto foi iniciado pelo encontro entre o grupo de torcedores e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que também realizavam uma manifestação no local, contra o Supremo Federal Tribunal (STF).

A suposta causa, segundo coronel Álvaro Camilo, secretário-executivo da Polícia Militar, “que chegou lá pessoal com bandeira neonazista, com alguma referência a neonazismo, e que isso teria provocado a agressão dos demais a essas pessoas”. O fato está sendo apurado e investigado pela PM.

O uso das bandeiras por bolsonaristas teria irritado integrantes de torcidas organizadas de clubes rivais de futebol que convocaram ato em favor da democracia e contra o fascismo que seguia pacífico até esse momento. Eles brigaram com defensores do presidente que os provocaram, segundo a PM.

Foram momentos de confusão, com os policiais lançando bombas de gás e fazendo uso de spray de pimenta para conter, segundo relatos, apenas o lado os torcedores.

Bancada do Amazonas declara:

O deputado federal Capitão Alberto Neto declarou em suas redes sociais repúdio à jornais que estariam dizendo que os PMs atacaram os torcedores.

“Para a grande mídia, o errado virou certo e o certo virou errado! Manifestação violenta, vandalismo e que ataca Policiais Militares não tem como ser classificada como pró-democrática!”.

O deputado federal Marcelo Ramos também foi em suas redes sociais falar sobre o ocorrido e mostrar indignação, mas contra ao ato da polícia militar.

“Que polícia é essa que tolera manifestações antidemocráticas contras as instituições e agride manifestantes pela Democracia?”.

O deputado ressaltou que é importante não aceitar provocações e encarar com sabedoria ataques.

“Mais do que nunca o campo democrático precisa ter sabedoria e não aceitar provocações. A grande maioria do povo brasileiro está ao lado da Democracia, da paz e da união em torno do combate ao coronavírus e da preservação da vida dos brasileiros”.

“O que acontece no Brasil hoje mostra que 70% da população já não aceita 30% tentando se impor como maioria. É uma questão aritmética” finalizou Ramos.

Já o senador Eduardo Braga disse em suas redes sociais que ‘radicalismo e intolerância se combate com diálogo’ e não se posicionou favorável a nenhum dos lados.

“Num momento político conturbado, a violência é sempre o pior caminho. Radicalismo e intolerância se combatem com diálogo, firmeza e responsabilidade”. E enfatizou com uma hashtag “Democracia hoje e sempre!”.

Deixe um comentário