Você está visualizando atualmente Dr. George Lins defende disponibilidade da Vacina HPV Nonavalente no SUS

Dr. George Lins defende disponibilidade da Vacina HPV Nonavalente no SUS

Dr. George Lins defende disponibilidade da Vacina HPV Nonavalente no SUS

Em manifestação na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), nesta quarta-feira (21), o deputado estadual Dr. George Lins (União Brasil) sugeriu o envio de Moção de Apelo à bancada federal do Estado no Congresso Nacional para que mova ações junto ao Ministério da Saúde defendendo a disponibilidade da Vacina HPV Nonavalente no SUS (Sistema Único de Saúde) para tornar mais eficiente o combate ao câncer de colo de útero no Estado.

Ao apartear discurso proferido pelo deputado Delegado Péricles (PL), Dr George explicou que a disponibilização da vacina nonavalente no SUS será fundamental para a intensificação do combate à preocupante incidência do câncer de colo de útero no Amazonas.

“Lamentavelmente, os estados do Amazonas e do Amapá são os primeiros no ranking dos estados mais atingidos pelo câncer de colo de útero, o que nos leva a crer que falta política pública para melhorar a prevenção contra uma doença que é cem por cento prevenível e que está associada à infecção pelo vírus HPV”, disse o parlamentar do União Brasil.

Defensor da vacina como forma de prevenir o câncer, Dr. George defende a massificação de campanhas nas unidades escolares das redes de ensino. “Hoje dispomos no SUS da Vacina Quadrivalente, que abrange quatro subtipos associados ao vírus HPV, que são os subtipos 6, 11, 16, 18, sendo que os subtipos 16 e 18 são os principais subtipos associados ao HPV. Portanto, a vacinação quadrivalente aumenta a proteção contra o HPV em 50 por cento, ela é importante na prevenção”, disse ele, sem deixar de manifestar também sua preocupação com a existência de outros subtipos associados ao HPV, os subtipos 31, 33, 45, 52 e 58.

“Eu vi uma atualização de março de 2023 e vi que já foi aprovada no Brasil a Vacina Nonavalente, que abrange os subtipos 31, 33, 45, 52 e 58, intimamente relacionados ao câncer de colo de útero. Só que essa vacina só existe na rede privada de saúde. Então, nós temos que buscar a nossa bancada federal, porque esse problema está ligado à nossa realidade e à realidade do Amapá”, destacou o deputado.

Vacina HPV Nonavalente no SUS

Em virtude da relevância da questão, Dr. George ressalta a necessidade de intervenção da bancada federal amazonense junto ao Ministério da Saúde para que a Vacina Nonavalente chegue ao SUS. “Por que não fazermos um apelo à bancada federal para que intermedeie junto ao Ministério da Saúde a fim de que a Vacina Nonavalente, que aumenta a proteção contra o HPV em 90 por cento, seja disponibilizada no SUS, a fim de tornar mais forte, mais ostensivo o combate ao câncer de colo de útero?”, disse o deputado.

“Sou médico do quadro da Fundação Cecon e lidava com pessoas em estágio avançado da doença. É muito triste a realidade dessas pacientes. Comungo com o deputado Péricles quando diz que o tratamento do câncer é muito mais oneroso do que a prevenção, prevenção que a gente precisa expandir para o interior do Estado, que onde há mulheres com os maiores casos de câncer de colo de útero. A prevenção é tudo, ela desonera o Estado e ajuda a saúde das mulheres”, finalizou Dr. George.

Sobre o HPV

O Papilomavírus Humano (HPV) constitui um conjunto diversificado de vírus capazes de afetar tanto homens quanto mulheres, resultando no desenvolvimento de verrugas, conhecidas como condilomas, na pele e nas mucosas. Além disso, esses vírus são responsáveis por provocar lesões pré-cancerosas que têm o potencial de evoluir para o câncer em diversos órgãos.

A principal forma de transmissão do HPV ocorre predominantemente por meio de relações sexuais, embora também seja possível contrair o vírus por meio do contato direto com a pele ou mucosa infectada.

Deixe um comentário