Eleições 2022 | Parlamentares da bancada do Amazonas reagem a declaração do Ministro da Defesa

Eleições 2022 | Parlamentares da bancada do Amazonas reagem a declaração do Ministro da Defesa

Eleições 2022 | Parlamentares da bancada do Amazonas reagem a declaração do Ministro da Defesa

Noticiada pelo jornal Estado de S. Paulo e divulgada mais cedo pelo Direto ao Ponto, a suposta ameaça feita pelo ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, ao presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL) de que não haverá eleições em 2022 se for aprovado o voto impresso, causou reação de parlamentares da bancada do Amazonas no Congresso Federal.

Anúncios

O vice-presidente da Câmara dos Deputados, deputado Marcelo Ramos (PL) afirmou que numa democracia, quem decide se tem ou não eleição não são os militares e sim a Constituição que eles juraram defender e cumprir.

“Portanto, se realmente houve o episódio, o ministro da Defesa, Braga Netto, se afasta do seu juramento militar e envereda por um golpismo que precisa ser combatido duramente pela sociedade, pelos Poderes e pelas instituições democráticas”, escreveu o parlamentar em nota oficial.

O deputado Zé Ricardo (PT) também se manifestou sobre o episódio e disse as Forças Armadas deveriam se preocupar em cuidar da soberania do País e não de política, pois esse não é seu papel.

“Estamos vivendo um governo militar e alguns generais estão querendo impor regras, inclusive, que não estão na Constituição Federal. Não sou contra a participação de ninguém na política, mas se quiser ser político ou militante político, que saia das Forças Armadas e assuma seu papel como militante político”, afirmou.

Gestão democrática

Já o vice-líder do governo, deputado federal Capitão Alberto Neto (Republicanos), reforçou ao Direto ao Ponto que o governo Bolsonaro tem uma gestão democrática e que jamais ameaçaria suas instituições.

“As informações distorcidas que foram divulgadas tentam enfraquecer a imagem do presidente principalmente num momento em que precisamos unir forças entre os Poderes e não gerar inseguranças. Tanto que o ministro da Defesa, Braga Netto, e o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, desmentiram enfaticamente tais informações e que não houve, em momento algum, ameaça às instituições democráticas nem ao pleito eleitoral”, explicou o parlamentar que aproveitou para defender o voto impresso auditável.

“O governo Bolsonaro é defensor da democracia, tanto que procurou garantir o respeito da escolha popular nas eleições defendendo o voto impresso auditável, que é o aperfeiçoamento do nosso processo democrático. Porém, quem vai decidir isso é o Congresso”, concluiu.

O deputado delegado Pablo Oliva (PSL), contou ao Direto ao Ponto, que não ver postura do ministro como ameaçadora à democracia e sim favorável ao voto impresso.

“Acredito que o Ministro manifestou seu posição favorável ao voto impresso. Não vejo tal postura como ameaça à democracia. Democracia que, por sinal, sou defensor inarredável”, disse Pablo.

Pablo também a salientou que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, da qual é vice-presidente, aprovou no último dia (13) um convite ao ministro da Defesa, Walter Braga Netto, para comparecer à casa legislativa e explicar as recentes declarações de sua pasta.

Confira abaixo a nota oficial do Ministério da Defesa

Deixe um comentário