Empresa que vai fornecer merenda para Seduc é investigada pela PF

Empresa que vai fornecer merenda para Seduc é investigada pela PF

Empresa que vai fornecer merenda para Seduc é investigada pela PF

Duas empresas que venceram licitações da Seduc para prestar serviço de alimentação na capital e no interior do Estado são as mesmas que já tinham contratos em caráter emergencial desde fevereiro do ano passado. Uma delas, a G. H. Macário Bento, foi alvo da Operação Eminência Parda, da Polícia Federal, em 30 de julho de 2019.

Anúncios

A PF investigou prática de crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa que ocorreram em contratos de 2013 com a Seap (Secretaria de Administração Penitenciária). O empresário Gustavo Macário Bento foi indiciado pela Polícia Federal pelo crime de peculato, mas o MPF não apresentou denúncia contra ele.

A Operação Eminência Parda foi a sexta fase da Operação Maus Caminhos, que investigou desvios de recursos da saúde no Amazonas, e que levou à cadeia o ex-governador José Melo e familiares do ex-governador Omar Aziz.

Na nova licitação da Seduc, a Macário Bento arrematou dois lotes: o 3 no valor de R$ 11,2 milhões e o 4, por R$ 14,5 milhões fornecer alimentação preparada por um ano aos Cetis (Centros de Educação de Tempo Integral) e Etis (Escolas de Tempo Integral) no interior do estado.

Na época da operação, a Seduc enviou nota à imprensa ressaltando que a contratação emergencial ”foi feita somente para o tempo necessário para a concretização do processo licitatório”.

Outra empresa que já estava prestando serviço antes é a Bento Martins de Souza, que nessa licitação arrematou os lotes 1 e 2, também para o serviço de alimentação no interior aos Cetis e Etis. O lote 1 a Bento Martins venceu com o preço de R$ 13,9 milhões, e o lote 2, R$ 13,6 milhões por um ano.

Além disso, a Bento Martins também venceu licitação para prestar o serviço na capital arrematando o lote 3 dessa categoria, no valor de R$ 14,9 milhões. Com todos os lotes os contratos da empresa chegam a R$ 42,4 milhões.

Para a capital também venceram a licitação as empresas E Nobrega Teixeira e  RM P Romero, a primeira arrematou o lote 1 e 2, nos valores de R$ 11,9 milhões e R$ 13,2 milhões respectivamente. A segunda (RM P Romero) apenas 1 lote, no valor de R$ 16,5 milhões.

Desde 2013 a Seduc não abria licitação para empresas prestarem serviço formal de alimentação. O processo estava em análise desde o início do governo Wilson Lima. Questionada sobre a contratação da Macário Bento mesmo estando envolvida em investigações da PF, a Seduc não respondem à reportagem.

Leia mais no Amazonas Atual

Deixe um comentário