Marcelo Ramos representa Câmara em evento sobre cidades inteligentes e sustentabilidade

Marcelo Ramos representa Câmara em evento sobre cidades inteligentes e sustentabilidade

Marcelo Ramos representa Câmara em evento sobre cidades inteligentes e sustentabilidade

Após a Conferência do Clima da ONU– COP-26, e a Expo Dubai – evento da indústria internacional, o vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos representou o parlamento federal no Smart City Expo World Congress, o maior evento sobre cidades inteligentes do mundo.

Anúncios

“As cidades inteligentes são fundamentais para reduzir os custos com a máquina pública. Mais atentas às soluções tecnológicas, são, ainda, estas cidades são mais capazes de oferecer melhores serviços públicos aos cidadãos”, disse Ramos, que atendeu as convite do Instituto Sociocultural Brasil China, e da Fira de Barcelona.

A ideia, segundo Marcelo Ramos, é buscamos uma ampla cooperação internacional em benefício do Brasil e dos brasileiros, justamente no momento que o Parlamento Federal discute a consolidação e a atualização de marcos regulatórios relacionados ao tema, como a instituição da Política Nacional de Cidades Inteligentes.

O Projeto de Lei nº 976/21 que pretende instituir a Política Nacional de Cidades Inteligentes foi aprovado no final de outubro pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados. O texto estipula princípios, diretrizes, objetivos e metas para a implantação de cidades inteligentes que atraiam soluções e tecnologias na gestão de serviços e infraestrutura dos municípios brasileiros, como saneamento, saúde e transporte.

O deputado, que apresentou à comunidade internacional a agenda proativa do parlamento, com destaque ao projeto de lei para regulamentar o mercado de carbono no Brasil e o anteprojeto de Lei do Bioma Amazônico, planeja utilizar as experiências adquiridas nas três missões institucionais para lançar uma frente parlamentar ampla no Congresso Nacional com o objetivo de incentivar e fomentar o desenvolvimento de smart cities assim que retornar ao país.

Deixe um comentário