You are currently viewing Médicos desmentem deputado Wilker Barreto

Médicos desmentem deputado Wilker Barreto

Médicos desmentem deputado Wilker Barreto

Opositor ferrenho do governador Wilson Lima (União Brasil) na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), o deputado estadual Wilker Barreto (Cidadania) usou sites e portais locais para espalhar desinformação sobre o pagamento de que 300 médicos do Instituto Médico de Clínica e Pediatria do estado do Amazonas (IMED-AM) estariam sem receber há quatro meses.

Anúncios

Em nota, o IMED-AM desmentiu Barreto e afirmou que a notícia veiculada por um site local não condiz com a verdade, além de reiterar que a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) tem cumprido com seus compromissos com a empresa e a sociedade.

“A diretoria do IMED-AM vem a público reprovar as informações constantes na denúncia feita pelo Deputado Wilker Barreto uma vez que são completamente inverídicas. Quanto a alegação de que os médicos estão há 4 meses sem receber apontado pelo Deputado Wilker Barreto. Informamos que não condiz com a realidade”, diz trecho da nota.

Nota de Esclarecimento Deputado Wilker Barreto

O deputado estadual Wilker Barreto vem a público repor a verdade em relação a nota do Instituto Médico de Clínica e  Pediatria do Estado do Amazonas (IMED/AM) que nesta quarta-feira, dia 07, emitiu comunicado em que ‘reprovou as informações’ sobre a denúncia de autoria do parlamentar realizada na última quarta-feira, 06, que revelou a falta de salário há  quatro meses de médicos cooperados que prestam serviços em 12 unidades da rede pública do Estado, devido à falta de repasse do pagamento por parte do Governo.

Acontece que a própria nota do Instituto reforça que em momento algum foi levantada informações inverídicas por parte do Líder da Oposição. O repasse, como o próprio demonstrativo enviado apresenta, indica os constantes atrasos. A transferência de janeiro foi em abril; de fevereiro foi em maio e as de março e abril aconteceram posteriores às denúncias realizadas pelos próprios profissionais da saúde, que tinham o desejo de pressionar o Governo do Amazonas para que a empresa pudesse receber e honrar com os salários em atraso. O pagamento aos médicos, aliás, foi feito após o assunto ser revelado na tribuna da Casa Legislativa.  Os serviços prestados referentes ao mês de maio ainda estão tramitando internamente na secretaria e o de junho em fase de organização de processo, mas vale ressaltar que já estamos no mês de julho e isto caracteriza atraso salarial.

É importante dizer, ainda, que para levar a pauta à tribuna, o deputado realizou pesquisa no Portal da Transparência do Governo do Amazonas, onde ficou comprovado que no momento da consulta o repasse à empresa não estava disponível.

A nota do IMED/AM, que se confunde em responder pela própria Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas (SES/AM) quando diz ‘que a pasta reitera que vem honrado compromissos’, tenta normalizar os atrasos e é um desrespeito aos profissionais da saúde, tendo inclusive um erro de informação quando diz que abril/2022 equivale ao recebimento do dia 07.07.2022, quando o Portal da Transparência mostra, na verdade, todas as descrições do último dia 06.07.2022. Isto foi avisado aos médicos; quando foi efetuado o real pagamento aos profissionais?, cabe ponderar.

A nota é passível de questionamento quando critica os contratos indenizatórios, sendo que a IMED/AM não tem cobertura contratual. O deputado faz um alerta uma vez que há recomendação da CPI da Saúde e a orientação da Controladoria-Geral do Estado (CGE-AM) e do  Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) quanto à suspensão de pagamentos indenizatórios. A ação vai contra a Portaria nº 323/2021, da própria SES/AM, referente ao Projeto Indenizatório Zero, determinando a eliminação, até setembro de 2021, de todos os serviços sem cobertura contratual. A portaria também proíbe a abertura de novos processos nesta modalidade.

No mais, aproveitando o ensejo, fica estendido à SES/AM o pedido do pagamento dos direitos trabalhistas dos profissionais da saúde contratados pelo Governo do Amazonas sob o Regime do Direito Administrativo (RDA); mais de 6 mil trabalhadores que atuaram na linha de frente da pandemia da Covid-19 no Amazonas não recebem ticket alimentação e risco de vida (periculosidade) desde 2020. Além disso, a cobrança do repasse do pagamento do Estado para os enfermeiros plantonistas da FCecon, os enfermeiros intensivistas do IETI, os terceirizados dos serviços gerais do Francisca Mendes e os técnicos em radiologia do João Lúcio, Joãozinho e Instituto da Mulher Dona Lindu.

NOTA DE ESCLARECIMENTO DEPUTADO WILKER REVELOU A VERDADE SOBRE ATRASOS SALARIAIS DOS PROFISSIONAIS DA SAÚDE (1)

Deixe um comentário