Você está visualizando atualmente Memória curta: após voto favorável pelo aumento do fundo eleitoral, Marcelo Ramos muda de ideia

Memória curta: após voto favorável pelo aumento do fundo eleitoral, Marcelo Ramos muda de ideia

Memória curta: após voto favorável pelo aumento do fundo eleitoral, Marcelo Ramos muda de ideia

Há pouco meses no Congresso Nacional, senadores e deputados aprovaram o projeto de lei que muda as regras do fundo partidário. O presidente Jair Bolsonaro vetou o trecho que abria possibilidade de aumento do fundo eleitoral para financiamento de campanhas dos partidos. Com isso o projeto teve que retornar ao Congresso para que os parlamentares apreciassem o veto presidencial.

No dia 27 de novembro, os parlamentares votaram pela derrubada do veto do presidente. Com a derrubada do veto, deputados e senadores abriram margem para que o famoso Fundão Eleitoral pudesse ser aumentado. Entre os parlamentares do Amazonas, que foram favoráveis à derrubada do veto, estava o deputado federal Marcelo Ramos (PL).

Marcelo mesmo tendo votado pela derrubada do veto presidencial, que deu brecha ao aumento do fundo eleitoral, postou uma mensagem que vai em direção oposta ao seu voto e a orientação partidária.

Em seu Twitter, na noite de ontem (12), o parlamentar publicou a seguinte mensagem:

“Estamos num momento de arrocho fiscal. Cortando gastos e exigindo sacrifícios do povo. Não é hora de queda de braço para aumentar fundo eleitoral”, diz o tweet de Ramos.

Os internautas logo se manifestaram lembrando ao deputado de que ele foi um dos parlamentares que votaram favoráveis ao veto que dá margem à volta do Fundão Eleitoral. “Cortando gastos aprovando o fundão? Quer um óleo de peroba também?”, disse um seguidor. “Tem muitos deputados que neste Natal, em vez de ganharem panetone de presente, deveriam ganhar óleo de peroba. É muito cara de pau”, afirmou outro seguidor.

O aumento do fundo para R$ 3,8 bilhões foi aprovado na última quarta-feira (04), na Comissão Mista de Orçamento (CMO), em um relatório preliminar ao Orçamento de 2020. O governo previa R$ 2 bilhões.

O acréscimo foi fruto de um acordo que envolveu os líderes de todos os principais partidos representados no Congresso — um ofício pedindo o aumento foi assinado por representantes de PT, PSL, PSDB, DEM, PDT e PSB, além de PP, MDB, PTB, PL, PSD, Solidariedade e Republicanos. Juntos, esses partidos somam 430 dos 513 deputados, e 62 dos 81 senadores.

De qualquer forma, o valor final do Fundo deve ser definido na semana que vem, quando os deputados e senadores se reunirão para votar o Orçamento da União de 2020.

Ao longo desta semana, o Palácio do Planalto também sinalizou que Jair Bolsonaro poderia vetar um Fundo Eleitoral maior que R$ 2,5 bilhões — deputados e senadores poderiam depois derrubar o veto presidencial, mas isto os obrigaria a tocar no assunto mais uma vez, aumentando o custo político da operação.

Marcelo Ramos

Em resposta ao Direto ao Ponto o deputado federal Marcelo Ramos afirmou ser impossível ter votado a favor de aumento do fundo eleitoral porque o valor do fundo eleitoral será definido na Lei Orçamentária com previsão de votação para a próxima terça.

Direto ao Ponto

Marcelo não comentou a respeito do voto favorável a derrubada do veto presidencial que dá margem para o aumento do fundo eleitoral.

Na próxima semana vamos acompanhar o desfecho do fundo eleitoral para as próximas eleições.

Este post tem um comentário

  1. Mirleide Uchoa

    Meus senhores e ainda tem gente que tem memória curta sim ,bem capaz de elege lo novamente,isso e Brasil , infelizmente nosso povo acustumou com um bando de corruptos que quanto mais tem mais quer,já que quer mamar na teta do povo que acha fazer algo por nós.

Deixe um comentário