Você está visualizando atualmente Preço da gasolina diminui apenas R$ 0,20 em Manaus 

Preço da gasolina diminui apenas R$ 0,20 em Manaus 

Preço da gasolina diminui apenas R$ 0,20 em Manaus

De forma gradativa e bem lenta, o preço da gasolina nos postos de Manaus reduziu nas últimas quatro semanas R$ 0,20 centavos. De R$ 4,69, o litro em muitas bombas da cidade começou a ser vendido por R$ 4,49. Na média nacional apurada em mais de 5,7 mil postos do país, pela Associação Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço da gasolina caiu pouco mais que 20 centavos nesse período, caindo de R$ 4,515 no dia 8 de março para R$ 4,298, no dia 4 de abril, queda de quase 5%.

A queda tímida do preço do litro da gasolina comum, em Manaus, coincide com o período da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) que, a partir das medidas de isolamento social, reduziu o trânsito de veículos e, por consequência, reduziu também o volume de abastecimento em mais de 50% nos postos da cidade, de acordo com frentistas. O sindicato do segmento não se manifestou.

Reduções nos preços

Durante todo o mês de março, quatro reduções de preços foram anunciadas pela Petrobras para as refinarias, motivadas pela desvalorização do petróleo no mundo. Somadas, as reduções chegaram a 35%. Apesar disso, a demanda também despencou nas últimas semanas por conta das ações de isolamento social impostas por estados e municípios.

De acordo com a plataforma de monitoramento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o tráfego de veículos caiu 58% no Brasil em março. A redução dos preços também foi observada no diesel. Em mais de três mil postos pesquisados, a ANP encontrou o valor médio de R$ 3,437 na última semana. Já no período compreendendo de 8 a 14 de março, o preço ficou em R$ 3,618. Na mesma comparação, o etanol foi de R$ 3,253 para R$ 3,039.

A queda abrupta no consumo de combustíveis após o início das medidas de isolamento social no país é apontada por executivos e especialistas como um entrave para repasses mais rápidos neste momento, já que os postos e distribuidoras têm dificuldade para desovar estoques antigos.

Desde o início do ano a commodity vem caindo de preço por causa do coronavírus, que ameaça o crescimento da economia global, e mudou de patamar nos últimos dias por uma queda de braços entre a Rússia e a Arábia Saudita pelo volume de petróleo disponível no mercado.

Entramos em contato com membros do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis (Sindicombustíveis) para saber mais sobre a queda e sobre os postos do Amazonas, mas até o fechamento da matéria não obtivemos resposta.

Deixe um comentário