Prévias do PSDB | Virgílio, Leite e Doria debatem eleições 2022

Prévias do PSDB | Virgílio, Leite e Doria debatem eleições 2022

Prévias do PSDB | Virgílio, Leite e Doria debatem eleições 2022

Os pré-candidatos do PSDB à Presidência da República em 2022 participaram nesta sexta-feira (12), de debate promovido pelo Estadão. O evento reuniu o ex-senador Arthur Virgílio Neto (AM) e os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS).

Anúncios

Único partido a realizar eleições internas para a escolha do nome que será lançado na disputa pelo Palácio do Planalto, o PSDB quer se firmar como alternativa no cenário de candidaturas que se apresentam no campo da chamada terceira via. A votação no colégio eleitoral das prévias tucana está marcada para 21 de novembro.

Representando o Amazonas nas prévias, Arthur Virgílio, afirmou que a Floresta Amazônica será prioridade de seu governo em caso de eleição. “Está na hora de termos um presidente que seja da Amazônia, a região mais relevante do mundo e que inclusive tem implicações de segurança nacional”, disse.

Sem citar nominalmente a gestão Bolsonaro, Virgílio deu a entender que o País deixa a desejar na política ambiental frente ao resto do mundo e ressaltou possíveis consequências econômicas disso.

“Eu vou representar essa região para valer. Se chegarmos à Presidência, estadistas do mundo inteiro vão falar: agora, sim, o Brasil começou a falar sério da Amazônia, o que vai significar muito do ponto de vista da Economia”, falou.

Ao ser questionado sobre os resultados práticos das prévias do partido. O presidenciável disse ter certeza de que a sigla sairá unida desta experiência.

“Este é um processo inicial que precisa ser aperfeiçoado, mas de qualquer maneira é um passo à frente”, disse.

Durante o debate, Arthur respondeu a pergunta enviada pelo Padre Júlio Lancellotti, ligado à Pastoral do Povo de Rua, sobre eventual instituição da renda básica, se eleito, o ex-prefeito Arthur Virgílio defendeu “tudo para os efetivamente mais pobres”.

Segundo ele, é possível “ser liberal e ser ao mesmo tempo sensível socialmente”.

Na sequência, ele afirmou que os programas sociais não devem ser o fim, mas sim o meio para a emancipação dos mais pobres por meio da educação.

Arthur Virgílio também defendeu reinserir na primeira cena da economia brasileira o tripé macroeconômico, que balizou o governo de Fernando Henrique Cardoso. O presidenciável defendeu responsabilidade fiscal e câmbio flutuante com “muita vigilância do Banco Central, para que não percamos o controle como este governo perdeu”, disse.

Continuando suas críticas à gestão Bolsonaro, o ex-senador acusou o governo atual de fazer um “ataque sistemático” ao Plano Real, herança do PSDB, e de desmontar todas as bases neste campo.

“Me decepcionei muito com o Guedes, não o admiro mais, ele plantou uma cama enorme para o Lula deitar”, afirmou Arthur.

Virgílio ainda fez críticas às emendas de relator, que sustentam o esquema do “orçamento secreto”, revelado pelo Estadão.

“Em governo meu, não tem ninguém que vá chegar perto de mim com essa conversa de emenda de relator, isso é coisa do passado”.

Virgílio critica Bolsonaro e defende ajuste fiscal

Ao responder a questionamento sobre investimentos em infraestrutura, Arthur Virgílio afirmou que o próximo presidente encontrará “terra arrasada” à frente do governo.

“Eu sou a favor de nós investirmos em infraestutrura, no que for possível, no primeiro momento. Porque quem governar o País vai pegar uma terra arrasada, porque a pessoa que governa o País hoje não é caso de impeachment, é caso de internação”, afirmou, sem citar o presidente Jair Bolsonaro.

Virgílio defendeu que o “ajuste fiscal” é a Bíblia que deverá guiar o próximo presidente.

A escolha do PSDB é aguardada com expectativa não apenas entre seus filiados. Os demais partidos que buscam uma alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva avaliam as prévias como uma primeira etapa de afunilamento das pré-candidaturas colocadas até aqui.

Deixe um comentário