Você está visualizando atualmente Programa “UEA Cardio Protegida” capacita para prevenção de mortes por parada cardiorrespiratória 

Programa “UEA Cardio Protegida” capacita para prevenção de mortes por parada cardiorrespiratória 

Programa “UEA Cardio Protegida” capacita para prevenção de mortes por parada cardiorrespiratória 

A Universidade do Estado do Amazonas (UEA) deu início às atividades do programa UEA Cardio Protegida, que garantirá o atendimento básico a casos de parada cardiorrespiratória com o uso de Desfibriladores Externos Automáticos (DEA) nas unidades acadêmicas da universidade. Na quarta-feira (09), foi realizado um treinamento prático do equipamento no Hospital Universitário Francisca Mendes voltado a alunos do curso de Medicina.

Por meio da implementação do programa, a UEA torna-se a primeira instituição de ensino superior do Amazonas a oferecer suporte básico de vida para a comunidade acadêmica com o uso do DEA. Os equipamentos foram entregues nas unidades da capital e do interior. O aparelho permite que a chance de sobrevivência da vítima não dependa somente da chegada do socorro integral.   

Segundo o reitor da UEA, Prof. Dr. André Zogahib, a UEA é pioneira na iniciativa. “Por meio de um treinamento simples, podemos capacitar pessoas para salvar vidas, dentro e fora da universidade, e isso é muito importante”, disse.

A vice-reitora da UEA e coordenadora do programa, Prof.ª Dra. Kátia Couceiro, afirma que, a cada 90 segundos, acontece uma morte por doença cardiovascular no Brasil. Segundo ela, a iniciativa da universidade tem como objetivo principal evitar mortes por meio do treinamento correto da população.

“Em mais de 70% dos casos, as paradas cardiorrespiratórias acontecem longe dos hospitais. Por meio da aplicação correta das manobras e com o equipamento adequado, podemos salvar vidas. Estamos plantando uma semente, e o cenário ideal é termos desfibriladores e pessoas capacitadas nos mais diferentes ambientes”, comentou.

Parceria

O treinamento nas unidades acadêmicas iniciará a partir do mês de setembro, com uma carga horária de 4 horas. A capacitação será coordenada pela vice-reitora, Prof.ª Dra. Kátia Couceiro, em parceria com a Liga Acadêmica de Cardiologia e com a Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), que será responsável por certificar os participantes. “A ideia é que esse conhecimento seja replicado. O DEA pode ser utilizado por qualquer pessoa que tenha sido instruída, o que faz com que seja mais fácil o compartilhamento dos procedimentos”, ressaltou a vice-reitora.

A médica Vânia Naue, também membro da SBC, participou do treinamento prático. “Como médica, já salvei vidas e sei da importância do conhecimento básico na hora de prestar auxílio a quem está precisando. Com esse treinamento, podemos preparar pessoas para atuar em momentos difíceis”, exclamou.

Para a estudante Kethely Maia, do 7° período do curso de Medicina, é gratificante participar do projeto. “Como já foi falado, é muito importante não somente para nossa vida acadêmica mas, especialmente, para o nosso dia a dia. Poder estar preparado e passar esse conhecimento adiante é algo que faz toda a diferença”, finalizou a discente.

Sobre o DEA

O DEA é um equipamento portátil que avalia, automaticamente e com precisão, as potencialidades letais, arritmias cardíacas de fibrilação ventricular e taquicardia ventricular em um paciente. Além de diagnosticar, ele é capaz de tratá-las por meio da desfibrilação, uma aplicação de corrente elétrica que para a arritmia, fazendo com que o coração retome o ciclo cardíaco normal.

Deixe um comentário