You are currently viewing Serafim diz que insegurança jurídica afasta empresários da ZFM

Serafim diz que insegurança jurídica afasta empresários da ZFM

Serafim diz que insegurança jurídica afasta empresários da ZFM

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) disse nesta quarta-feira (9), que é preciso reverter a redução de 25% da alíquota de Imposto Sobre Produtos Industrializados (IPI) e adotar outros modelos econômicos que agreguem à Zona Franca de Manaus (ZFM). “A insegurança jurídica afasta empresários e impede a instalação de novas indústrias na região”.

Anúncios

“A redução em 25% das alíquotas do imposto de importação é algo muito ruim, porque o governo federal fez caridade com o chapéu alheio e desequilibrou os orçamentos dos estados e municípios. O IPI é partilhado com estados e municípios. O governo federal fica apenas com 50% do IPI. 25 % ficam para os estados e 25% para os municípios. Isso já foi algo muito ruim”, disse.

O parlamentar chegou a mencionar, em sessão plenária na Assembleia do Amazonas, a “deslealdade” da secretária especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia, Daniella Marques Consentino, que se comprometeu em ser porta-voz da ZFM nos acordos de redução de IPI, mas o que acabou não acontecendo.

“Vem o que é o mais perigoso que é a insegurança jurídica. Não há segurança jurídica para o empresário. E aí ele fica em pânico, porque ele fica em dúvida se vem para cá ou não vem. E se ele vem e recebe uma bola nas costas como esta do ministro Paulo Guedes? Rogo a Deus para que reconsiderem essa posição e revejam, porque se não reverem, isso vai aprofundar a insegurança. Assim, novas empresas não virão e algumas empresas que estão aqui, principalmente as que têm IPI baixo, irão embora. Isso é muito ruim para todos nós”, avaliou.

Serafim ainda disse que a bancada federal do Amazonas tem se empenhado para reverter a situação, que não deve ser vista como atividade eleitoreira, mas atividade política. “É preciso deixar claro que todos nós que exercemos mandado político seremos julgados por aquilo que fizemos e pelas posições que adotamos. Não será este fato ou aquele outro que vão convencer o eleitor a votar ou a deixar de votar.

Para o parlamentar, é importante a elaboração de novos modelos econômicos, por parte do governo federal, que agreguem à Zona Franca de Manaus. Ele destacou também a importância de investimentos em infraestrutura na região.

“Não serão os municípios, ou estados da Amazônia que conseguirão constituir políticas. Precisamos de investimentos em infraestrutura. Fala-se em mineração em Autazes. Para isso é preciso ter energia elétrica. Não são os indígenas que estão impedindo o investimento. É a falta de união que ligue o Linhão de Tucuruí até Autazes para levar energia e garantir o trabalho na mina. Ninguém vai investir, por exemplo, numa fábrica de transformar silvinita em potássio, em Autazes, se lá não tem energia. É preciso que primeiro que chegue o Linhão. Um  investimento como esse demora de 1 a 5 anos”, concluiu.

Deixe um comentário