Após contestações, Patriota aprova mais uma vez mudanças para tentar atrair Bolsonaro

Após contestações, Patriota aprova mais uma vez mudanças para tentar atrair Bolsonaro

Após contestações, Patriota aprova mais uma vez mudanças para tentar atrair Bolsonaro

Em nova convenção, antecipada por O Antagonista, o presidente do Patriota, Adilson Barroso, negou que estivesse fazendo algo “no grito”.

Anúncios

Adilson conduziu uma reunião na qual aprovou, de novo, mudanças no estatuto do partido, na tentativa de atrair a filiação de Jair Bolsonaro e seu grupo político.

Adilson estava acompanhado, na sede do partido, em Barrinhas (SP), do senador Flávio Bolsonaro, que já se filiou à legenda, e do advogado Admar Gonzaga, que tentou, sem sucessor, criar a Aliança pelo Brasil.

O vice-pesidente do partido, Ovasco Resende, e o secretário-geral da sigla, Jorcelino Braga, que acusam Adilson de forjar maioria para mudar o estatuto, não participaram da votação simbólica e prometem questionar novamente o processo.

Adilson, por diversas vezes, afirmou que estava fazendo tudo “dentro do estatuto”.

“Está garantida a votação. (…) Já coloquei em votação tudo, arrematei tudo. Aprovado por unanimidade dos presentes”, disse ele, gritando e puxando aplausos.

A convenção de hoje é uma reação do presidente do Patriota à nota de exigência emitida na semana passada pelo Cartório do 1º Ofício de Notas do Distrito Federal (leia aqui a íntegra), que cobrou explicações sobre a desastrosa última convenção, como noticiamos.

A convenção do último dia 31 foi marcada por muito tumulto e uma ala do partido acionou a Justiça e até a polícia, acusando Adilson de cometer uma série de irregularidades para forjar uma maioria que mudasse o estatuto, como acabou ocorrendo, para abrir espaço para a família Bolsonaro e seu grupo político. O racha no partido foi mostrado por O Antagonista ainda no início deste ano: relembre aqui.

O presidente da República, que fracassou na tentativa de criação da Aliança pelo Brasil, continua à procura de uma legenda para chamar de sua e concorrer à reeleição em 2022.

Deixe um comentário