Bolsonaro autoriza novo decreto de atuação das Forças Armadas na Amazônia

Bolsonaro autoriza novo decreto de atuação das Forças Armadas na Amazônia

Bolsonaro autoriza novo decreto de atuação das Forças Armadas na Amazônia

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) decidiu editar decreto autorizando uma nova operação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na floresta amazônica.

Anúncios

Segundo relatos feitos à CNN, em reunião na quinta-feira (10), o presidente autorizou a equipe jurídica do Palácio do Planalto a formular a medida.

A expectativa é de que ela seja publicada ainda neste mês e tenha duração, em um primeiro momento, até o final de julho.

O foco da nova iniciativa deve ser no chamado arco do desmatamento, cidades onde o número de queimadas costuma ser mais elevado.

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB-DF), confirmou a jornalistas na manhã desta sexta-feira (11) que os militares devem voltar a atuar em ações contra o desmatamento a partir da próxima semana.

“Ontem eu conversei com ele [Bolsonaro], ele autorizou e nós já estamos fechando o planejamento. Falei com o ministro Paulo Guedes [da Economia], o recurso é em torno de R$ 50 milhões para fazer isso aí pelos próximos dois meses. Ele disse que isso não é problema”, disse.

Segundo Mourão, ainda é preciso definir a área de atuação das tropas, o que já está sendo feito pela secretaria do Conselho Nacional da Amazônia Legal e pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

“Nós estamos definindo certinho para poder atacar, vamos dizer assim, em massa, onde está acontecendo a maior parte do problema. Em princípio, começa semana que vem. Eu quero reunir todo mundo, e eu preciso que o Ibama e o ICMBio cheguem junto, porque se eles não chegarem junto, não tem sucesso. Então eu preciso que eles trabalhem junto com a gente”, afirmou.

Mourão admitiu que dois meses podem não ser suficientes para reduzir as queimadas e que uma alternativa, caso se concretize, é ampliar o prazo de permanência das forças na região. “Pode ser que não seja [suficiente]. Agora nós vamos entrar na questão das queimadas. O plano B é estender as operações, mas aí tudo depende de recursos, essa coisa toda”, disse Mourão.

O período de seca na floresta amazônica ocorre entre maio e setembro. A última GLO na floresta amazônica teve o prazo finalizado no início de maio, sem que o decreto fosse renovado. A proposta avaliada é de que as Forças Armadas atuem no combate ao desmatamento até que o Meio Ambiente viabilize investimentos no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) e no ICMBio (Instituto Chico Mendes), órgãos federais de fiscalização ambiental.

O presidente aprovou para este ano corte de 24% no orçamento do meio ambiente em relação ao ano passado. O Meio Ambiente solicitou à Economia uma compensação orçamentária de R$ 270 milhões. O ministro Paulo Guedes já indicou a liberação dos recursos, mas eles ainda não foram viabilizados.

Fonte: CNN Brasil

Deixe um comentário