You are currently viewing Bolsonaro desautoriza Mourão sobre invasão da Ucrânia e não condena ataques da Rússia

Bolsonaro desautoriza Mourão sobre invasão da Ucrânia e não condena ataques da Rússia

Bolsonaro desautoriza Mourão sobre invasão da Ucrânia e não condena ataques da Rússia

Em sua live presidencial, Jair Bolsonaro (PL) desautorizou o vice-presidente, general Hamilton Mourão, em relação ao posicionamento do Brasil sobre o conflito entre Rússia e Ucrânia e evitou condenar as ações do presidente russo Vladmir Putin.

Anúncios

Como registramos mais cedo, Mourão condenou os ataques dizendo que “o Brasil não concorda com uma invasão do território ucraniano. Isso é uma realidade”.

Bolsonaro, por sua vez, afirmou que outras manifestações de integrantes do governo brasileiro são meras “peruadas”. Ele ainda ressaltou que teve um “contato excepcional” com o presidente russo na semana passada.

“Deixa eu dizer uma coisa aqui: o artigo 84 da Constituição Federal é bem claro e diz que quem fala sobre esse assunto é o presidente. E quem é o presidente? Jair Messias Bolsonaro. E ponto final. Então, com todo o respeito a essa pessoa que falou isso [general Hamilton Mourão], ele está falando algo que não deve, que não é de competência dela”, declarou Bolsonaro.

“Quando é que eu falo qualquer coisa sobre esse problema entre Rússia e Ucrânia? Eu falo depois de ouvir o ministro [de Relações Exteriores] Carlos França e o da Defesa, Braga Netto. Ponto final. A decisão é minha, mas quero ouvir pessoas, que realmente são ministros para tratar desses assuntos. Somos da paz. Nós queremos a paz”, declarou o presidente da República.

“Viajamos em paz para a Rússia, fizemos um contato excepcional com o presidente Putin, acertamos a questão de fertilizantes para o Brasil, somos dependentes de fertilizantes da Rússia. O país mais importante no mundo chama-se Brasil. Tudo que tiver ao nosso alcance nós faremos pela paz. Quem fala dessas questões é Jair Messias Bolsonaro. Quem tem dúvida disso, basta procurar o artigo 84 da Constituição. Quem está falando, está dando ‘peruada’ naquilo que não lhe compete”, concluiu.

Como registramos mais cedo, Bolsonaro tem sido aconselhado por aliados a se manifestar o quanto antes sobre a invasão da Ucrânia pela Rússia. Apesar disso, conforme O Antagonista apurou, ele resiste à ideia e argumentou que o Ministério das Relações Exteriores já emitiu o posicionamento do governo brasileiro sobre o tema.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário