Bolsonaro discute com ministros e forças armadas  crise na Venezuela

Bolsonaro discute com ministros e forças armadas crise na Venezuela

Bolsonaro discute com ministros e forças armadas  crise na Venezuela

Em pleno feriado do Dia do Trabalhador, o presidente Jair Bolsonaro reuniu na manhã desta quarta-feira (1º) ministros e comandantes das Forças Armadas na sede do Ministério da Defesa para discutir o acirramento da crise na Venezuela.

Anúncios

Ao deixar o encontro, Bolsonaro afirmou que, na avaliação dele, não houve “derrota” no movimento capitaneado na terça (30) pelo autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó.

No início da manhã desta terça, o líder da oposição venezuelana anunciou em uma rede social que havia obtido o apoio dos militares para derrubar Nicolás Maduro da presidência do país sul-americano e convocou a população a sair às ruas para pressionar pelo fim do regime bolivariano.

No entanto, os chefes das Forças Armadas da Venezuela mantiveram o apoio a Maduro e, no fim de um tumultuado dia de manifestações e confrontos entre população e forças de segurança, militares desertores e oposicionistas recuaram e pediram asilo a embaixadas.

Depois que as forças de segurança venezuelanas controlaram os distúrbios no fim da tarde de terça, Maduro se pronunciou na TV, disse ter a lealdade das Forças Armadas e afirmou que os militares que apoiaram a oposição foram pagos.

Na entrevista desta quarta-feira, Bolsonaro afirmou que relatos do serviço de inteligência brasileiro apontam que há uma “fissura” nas Forças Armadas venezuelanas que, segundo ele, “cada vez mais se aproxima da cúpula” militar.

A assessoria da Defesa informou que foram convocados para a reunião de briefing sobre a situação da Venezuela os ministros Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Em vez de os ministros irem ao encontro do presidente, como é de praxe, Bolsonaro decidiu ir à sede do Ministério da Defesa. O comboio presidencial deixou o Palácio da Alvorada em direção à Esplanada dos Ministérios por volta das 9h.

Logo após a entrevista de Bolsonaro, o ministro da Defesa afirmou que a situação no país vizinho segue indefinida e é preciso aguardar as manifestações convocadas para essa quarta-feira.

Fernando Azevedo e Silva disse ainda que pediu ao presidente para agilizar a interiorização de venezuelanos em Boa Vista (RR).

Deixe um comentário