Bolsonaro tem ‘dever cívico’ de provar que houve fraude em 2018, diz Barroso

Bolsonaro tem ‘dever cívico’ de provar que houve fraude em 2018, diz Barroso

Bolsonaro tem ‘dever cívico’ de provar que houve fraude em 2018, diz Barroso

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, voltou a criticar a proposta que prevê a implementação do voto impresso no Brasil. Segundo o ministro, nunca houve fraude em urnas eletrônicas, como alega Jair Bolsonaro.

Anúncios

O presidente já afirmou diversas vezes, sem provas, que a eleição presidencial que venceu em 2018 foi fraudada. Ele diz que deveria ter vencido Fernando Haddad no primeiro turno.

“Nunca houve fraude documentada. Jamais. Apenas o pedido de auditoria solicitado pelo então candidato Aécio Neves e que não se apurou impropriedade porque não há. Se o presidente da República ou qualquer pessoa tiver provas [sobre fraude] tem o dever cívico de entregá-la ao Tribunal e estou com as portas abertas. O resto é retórica política, são palavras que o vento leva.”

Barroso voltou a dizer que a implementação de um sistema eleitoral com voto impresso deve custar R$ 2 bilhões e não vai acabar com o “discurso dos derrotados”.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário