Você está visualizando atualmente Brigadistas de ONGS são presos por suspeita de envolvimento com queimadas

Brigadistas de ONGS são presos por suspeita de envolvimento com queimadas

Brigadistas de ONGS são presos por suspeita de envolvimento com queimadas

A Polícia Civil do Pará deflagrou na manhã desta terça-feira (26), a Operação Fogo do Sairé, que concluiu que o incêndio que atingiu uma Área de Preservação Ambiental (APA) no distrito turístico de Alter do Chão em setembro deste ano teve envolvimento de ONGs (organizações não-governamentais). Policiais cumpriram quatro mandados de prisão preventiva contra integrantes da Brigada de Incêndio de Alter.

Foram colhidos indícios em dois meses de investigações que apontam o envolvimento da brigada como “causadora do referido episódio”. Daniel Gutierrez, que estava à frente da operação, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner foram presos. Também foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão expedidos pelo juiz da 1ª Vara Criminal, Alexandre Rizzi. A operação está sendo coordenada pela Delegacia Especializada em Conflitos Agrários de Santarém (Deca) e Núcleo de Apoio à Investigação (NAI), com o apoio da Diretoria de Polícia do Interior (DPI).

De acordo com o delegado José Humberto de Mello Júnior, diretor de Polícia do Interior do Pará, os investigadores encontraram indícios de que membros da brigada haviam sido beneficiados financeiramente com as queimadas. Com base em tais indícios, a polícia interceptou as ligações telefônicas dos suspeitos.

O grupo teria arrecado 300 mil reais em doações realizadas por causa dos incêndios. Cerca de 47 mil reais teriam sido recebidos com a venda de imagens da floresta ardendo, fogo que teria sido causado pelos próprios membros das brigadas, segundo Mello. O delegado, no entanto, não deu detalhes de como teria sido a participação dos presos nos supostos crimes.

Entre os alvos da ação está também a sede do Projeto Saúde e Alegria. No local havia por volta das 13h uma grande movimentação de policiais e resistência dos dirigentes em permitir o cumprimento da ordem judicial. O diretor da instituição, Caetano Scannavino, se encontra em Brasília.

Deixe um comentário