You are currently viewing CCJ adia votação da reforma tributária após leitura de relatório

CCJ adia votação da reforma tributária após leitura de relatório

CCJ adia votação da reforma tributária após leitura de relatório

Anúncios

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado Federal decidiu, nesta quarta-feira (22), adiar a votação relatório da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 110/2019, que trata da reforma tributária. O relatório da PEC foi apresentada nesta manhã pelo relator Roberto Rocha (PSDB-MA) e, após a leitura do documento, houve pedido de vista coletiva dos senadores membros do colegiado.

Ao todo, foram protocoladas 202 emendas ao texto, sendo 33 delas apenas em fevereiro. O relatório apresentado nesta manhã manteve a regra geral da reforma, mas trouxe alterações para ampliar a segurança e previsibilidade ao contribuinte dos impostos a serem criados.

Após conceder o pedido de vista coletiva, o presidente do colegiado, senador Davi Alcolumbre (União Brasil-AP), prometeu que pautará uma sessão da CCJ após o Carnaval apenas para discussão e votação da reforma tributária. A expectativa, portanto, é de que a PEC só seja votada pela comissão em 9 de março.

Entenda a proposta

Em síntese, a PEC 110/2019 busca simplificar o sistema tributário brasileiro, promovendo medidas como a unificação de impostos que incidem sobre o consumo, além da criação de dois novos impostos. O primeiro, o IVA, será cobrado sobre o valor agregado. O segundo se chamará Imposto Seletivo (IS), em substituição ao Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) – ambos federais.

Rocha sugere um IVA dual: um federal (CBS) e um subnacional (IBS). O CBS será, portanto, recolhido pela União e deriva da fusão do Programa de Integração Social (PIS) e do Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins). Enquanto o IBS será recolhido por estados e municípios. Este imposto surgirá da fusão do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) com o Imposto Sobre Serviços (ISS).

Entenda a proposta da reforma tributária

A nova redação apresentada nesta manhã define que a transição do IBS da origem para o destino se completará em 40 anos, organizados em duas etapas de 20 anos cada, sendo a primeira parcela da receita distribuída de forma a garantir a cada ente federativo a manutenção do valor de sua receita atual corrigida pela inflação.

A segunda parcela propõe a reposição da receita real de cada ente progressivamente reduzida, convergindo para distribuição integral pelo destino ao fim do período.

Segundo o relator da PEC, a criação dos novos impostos permitirá desburocratizar o pagamento dos tributos no país. O parlamentar defende que a alta carga tributária somada à complexidade do pagamento de impostos pelo contribuinte e à burocracia em torno do sistema atrapalham a atividade econômica do país, em especial o empreendedorismo.

Deixe um comentário