Você está visualizando atualmente CCJ deve aprovar PEC que criminaliza drogas no Brasil

CCJ deve aprovar PEC que criminaliza drogas no Brasil

CCJ deve aprovar PEC que criminaliza drogas no Brasil

A Comissão de Constituição e Justiça do Senado deve aprovar, nesta quarta-feira (13), a Proposta de Emenda à Constituição que criminaliza o porte de drogas para uso pessoal.

O presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre (União-AP), pautou para esta quarta-feira a votação da PEC. A decisão ocorreu após o STF ter suspendido o julgamento que tratava do mesmo assunto e após acordo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG).

Há maioria na CCJ em favor do texto. A expectativa é que a proposta tenha pelo menos 18 votos a favor dos 27 integrantes. Pacheco sinalizou que a PEC, em plenário, pode ser pautada até o final de abril.

A decisão de Alcolumbre e Pacheco é uma reação ao STF. Senadores da oposição, no entanto, argumentam que decisões sobre o tema das drogas cabem ao Legislativo, e não ao STF. Até o momento, o placar na Corte está 5 a 3 para descriminalizar o porte só da maconha para consumo próprio. O ministro Dias Toffoli pediu vista (mais tempo para análise) nesta quarta-feira (6).

O magistrado pode ficar com o processo por até 90 dias. Ainda não há data para o caso ser retomado.

“Houve a deliberação no colégio de líderes. Por consenso, quarta-feira, na CCJ, o meu parecer sobre a PEC antidrogas será apreciado. Já há o compromisso do presidente da CCJ, Davi Alcolumbre, e vamos partir para esse debate, que interessa a sociedade brasileira, interessa a família brasileira. Não acredito eu que seja um tema para ser decidido pelos tribunais, mas pelo Congresso Nacional”, disse o senador Efraim Filho (União-PB).

Interlocutores de Alcolumbre, no entanto, afirmam que o senador precisou ser convencido a pautar essa propoosta de emenda constitucional. Jà o líder da Oposição, o senador Rogério Marinho (PL-RN), afirmou que o placar atual do julgamento no STF é motivo de preocupação.

“Isso significa, na opinião de todos nós, uma porta aberta para a liberação efetiva da droga e a desagregação social que isso vai resultar — declarou. Segundo ele, a votação na CCJ não significa “nenhum desapreço à conduta da ação do Supremo Tribunal Federal”, mas é uma afirmação de que a sociedade representada pelo Senado “pensa diferente do que está sendo decido até agora pelo STF”, disse Rogério Marinho.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário