Você está visualizando atualmente Em reunião ministerial, Lula chama Bolsonaro de “covardão”

Em reunião ministerial, Lula chama Bolsonaro de “covardão”

Em reunião ministerial, Lula chama Bolsonaro de “covardão”

Durante a abertura da primeira reunião ministerial de 2024, o Lula chamou o ex-presidente Jair Bolsonaro de “covardão” ao citar as investigações sobre o suposto plano para se dar um golpe de estado no Brasil.

Sem citar nominalmente seu principal adversário político, Lula disse que o ex-presidente tinha envolvimento direto na suposta trama golpista no país.

“Ele [Bolsonaro] é um covardão. Ele ficou quase um mês chorando aqui no Palácio da Alvorada e depois foi para os Estados Unidos. Como não deu certo, então eles, agora, estão dizendo que nós estamos ferindo a democracia, que não houve nada de concreto, mas sabemos que houve a tentativa de um golpe nesse país. Quem tinha dúvida, agora a gente tem certeza de que poderíamos voltar aos tempos tenebrosos”, disse Lula.

A culpa é de Bolsonaro?

“O governo anterior nunca se preocupou em governar esse país. Ele nunca se preocupou com a economia. Ele se preocupava em estimular o ódio entre as pessoas e continua fazendo isso do mesmo jeito. A gente agora tem mais clareza do que aconteceu no 8 de janeiro. Temos clareza ao ter depoimento de gente que estava dentro do governo dele”, acrescentou o petista.

A reunião ministerial foi convocada por Lula para tentar estancar a queda da popularidade do presidente petista. A expectativa é que a reunião demore o dia todo. Todos os integrantes do primeiro escalão estão no Palácio do Planalto para tentar achar soluções.

Como mostramos no início do mês, dois levantamentos dão a dimensão exata do abacaxi que Lula e seu time precisa descascar.

Popularidade caindo

Pela primeira vez, mais da metade dos brasileiros reprova o governo Lula, segundo levantamento Altas Intel. Em três meses, o índice de aprovação do petista caiu 4 pontos percentuais.

Na Genial/Quaest, Lula perdeu três pontos percentuais. Sua aprovação foi a 51%: o menor patamar desde o início do mandato.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário