Facebook e Instagram retiram live em que Bolsonaro cita textos que associam vacina da Covid a Aids

Facebook e Instagram retiram live em que Bolsonaro cita textos que associam vacina da Covid a Aids

Facebook e Instagram retiram live em que Bolsonaro cita textos que associam vacina da Covid a Aids

O Facebook e o Instagram retiraram do ar a live semanal do presidente Jair Bolsonaro, transmitida na última quinta-feira (21). No vídeo, que pode ser visto no YouTube, o presidente disse que um estudo no Reino Unido afirmava que 70% dos mortos com Covid estavam vacinados, mas não mostrou a fonte da informação. O presidente alertou ainda, a partir de um texto do site “Before it’s news”, que “os totalmente vacinados [contra a Covid-19] estão desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids] muito mais rápido que o previsto”.

Anúncios

O Facebook, responsável também pela plataforma Instagram, justificou a retirada do conteúdo dizendo que “nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”.

A associação das vacinas contra a Covid-19 com a Aids não é um assunto novo. Em outubro de 2020, o tema foi tratado pela revista Science, quando um grupo de pesquisadores desaconselhou o uso das vacinas em locais que apresentem epidemia de Aids, como a África do Sul. Segundo eles, o mecanismo de ação das vacinas nas células de organismos mais debilitados pode facilitar a infecção pela Aids. Outro artigo, publicado na The Lancet, aborda o mesmo problema.

No mundo, há um caso de suspensão do uso da vacina por esse motivo: na Namíbia, o governo deixou de distribuir a russa Sputnik, depois que a agência de regulação sanitária da África do Sul apontou a mesma preocupação. Os fabricantes do imunizante negam a relação e dizem que a Sputnik seria segura.

No Senado, a live do presidente fez com que o senador Alessandro Vieira (Cidadania) protocolasse um requerimento pedindo que a CPI da Covid analise as declarações. No documento, o senador sugere que o conteúdo da fala seja enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Deixe um comentário