Você está visualizando atualmente Falta de cilindros leva municípios do Paraná a corrida por usinas de oxigênio

Falta de cilindros leva municípios do Paraná a corrida por usinas de oxigênio

Falta de cilindros leva municípios do Paraná a corrida por usinas de oxigênio

A alta demanda por oxigênio causada pela transmissão acelerada do coronavírus no Paraná abriu a corrida dos municípios para abertura de usinas de produção própria do gás hospitalar. A crise não é na produção de oxigênio, e sim na falta de cilindros para o envasamento, o que levou o governador Carlos Massa Ratinho Jr (PSD) a requisitar o envio dos tubos usados no colapso de Manaus (AM) em fevereiro para ajudar os hospitais do Paraná.

“O problema do suporte do oxigênio não é pela questão do gás, mas pela infraestrutura”, confirmou o presidente da Federação dos Hospitais do Paraná (Fehospar), Rangel Silva, em explanação da situação financeira das unidades de saúde à Frente Parlamentar do Coronavírus na Assembleia Legislativa semana passada.

Como a demanda está muito alta, os hospitais estão sem cilindros reservas. Dessa forma, o paciente corre o risco de ficar sem oxigênio no período em que o tubo é reabastecido. Como aconteceu no último fim de semana em Clevelândia, município de 17,2 mil habitantes na região Sudoeste do estado. Como Clevelândia reenvasa seus cilindros na vizinha Pato Branco e na cidade catarinense de Chapecó, respectivamente a 50 km e 115 km de distância, os pacientes correram risco de ficar sem o suporte respiratório no reabastecimento.

Situação que só foi contornada pela mobilização de cervejarias que pararam suas produções para ceder o oxigênio de suas fábricas, além de mobilizarem a população a também emprestar cilindros ao hospital.

Diante dessa dificuldade, a prefeitura de Clevelândia se uniu à vizinha Mariópolis para instalar uma usina para produzir o próprio oxigênio. O valor da estrutura é de R$ 327 mil e começa a ser instalada na próxima quarta-feira (24), com capacidade de 161,28 metros cúbicos produzidos em 24 horas por dia. “Com a usina, a gente consegue carregar os cilindros rapidamente. Em questão de minutos o cilindro sai e volta para o hospital”, explica Rafael Barbosa, chefe de gabinete da prefeita de Clevelândia, Rafaela Martins Losi (PSD).

Fonte: Gazeta do Povo

Deixe um comentário