França acelera vacinação, Índia prepara campanha e China bloqueia cidades; o combate à Covid-19 pelo mundo

França acelera vacinação, Índia prepara campanha e China bloqueia cidades; o combate à Covid-19 pelo mundo

França acelera vacinação, Índia prepara campanha e China bloqueia cidades; o combate à Covid-19 pelo mundo

O mundo se prepara como pode para combater a pandemia. O governo francês planeja acelerar a campanha de imunização contra a Covid-19 e a Índia se prepara para iniciar sua campanha de vacinação. Com o número de mortes e infecção ainda sob alerta no Ocidente e Oriente, chefes de Estado mantém os esforços para lutar contra o coronavírus. Outros, entretanto, ainda obstruem o acesso do imunizante à população, a exemplo do Irã.

Anúncios

Em visita a um centro médico no sudoeste da França, o primeiro-ministro Jean Castex afirmou que as primeiras vacinas da farmacêutica Moderna devem chegar ao país na segunda-feira (11) e acelerar a campanha de imunização contra a covid-19. O gabinete do presidente Emmanuel Macron informou que a primeira-dama Brigitte Macron foi diagnosticada com a doença no fim de dezembro, mas já se recuperou. O país tem 2.804.88 casos de covid-19, com 67.567 mortos.

O governo da Índia anunciou neste sábado (9) que planeja iniciar a vacinação no país no próximo sábado (16). Na primeira fase, trabalhadores do setor de saúde e outros setores prioritários, cerca de 30 milhões de pessoas, serão imunizadas. Em um segundo momento, serão vacinados adultos com mais de 50 anos e também de grupos de risco, somando 270 milhões de pessoas.

O país vai usar as vacinas de Oxford/AstraZeneca e o da companhia local Bharat Biotech. O país tem 10.431.639 infectados com covid-19 e 150.798 óbitos. O imunizante é o mesmo que pode ajudar a salvar vidas no Brasil. Na sexta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro enviou uma carta ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, solicitando a antecipação do envio de dois milhões de doses da vacina.

China e Japão bloqueiam cidades

Na China, autoridades pediram a moradores de Shijiazhuang e Xingtai, ao sul de Pequim, para ficarem em casa por sete dias para conter um possível surto da doença após mais de 300 casos positivos na região nesta última semana.

Para entrar na capital, habitantes das duas cidades terão que provar que trabalham lá e mostrar um teste negativo. O governo também anunciou neste sábado que vacinas contra a covid-19 serão grátis para a população chinesa. O país já registrou 96.562 casos totais do novo coronavírus, com 4.789 mortes.

Ainda no Oriente, um dia após o governo do Japão declarar Estado de emergência na capital Tóquio e em regiões adjacentes, outros governadores, como de Osaka, Kyoto e Hyogo, enviaram pedidos a Yasutoshi Nishimura, ministro responsável pelas ações do país contra a pandemia, para fazer o mesmo em seus territórios em meio ao aumento de internações por conta da doença.

A capital japonesa registrou 2.268 novos casos na sexta-feira, terceiro dia consecutivo acima da marca de 2 mil. O Japão já registra 281.649 casos da doença, sendo 3.763 óbitos.

Covid-19 ainda assola EUA, Portugal e Rússia

Ao Ocidente, as novas infecções continuam assolando os Estados Unidos. O país registrou na sexta-feira 280,2 mil novos casos, uma estabilidade em relação ao dia anterior. Mas os óbitos por conta da doença recuaram do patamar recorde visto há dois dias. Foram 3.534 mortes registradas, ante 4.194 nas 24 horas anteriores, de acordo com os dados mais recentes do levantamento feito pela Universidade Johns Hopkins, em Maryland.

O número de hospitalizações também caiu na sexta-feira, a 131.889, segundo o Covid Tracking Project, mas o número de pacientes americanos em unidades de terapia intensiva bateu novo recorde, com 23.886. No total, os EUA registram 21.870.427 casos de covid-19, com 368.908 mortes.

Em Portugal, 111 pessoas morreram e 9.478 novos casos de Covid-19 foram registrados nas últimas 24h, as autoridades de saúde locais neste sábado. O país conta agora um total de 7.701 mortes e 476.187 casos positivos confirmados desde o início da pandemia. O deputado André Silva disse a jornalistas, após reunião com o primeiro-ministro, Antonio Costa, que o governo deve aumentar nos próximos dias as medidas restritivas para tentar controlar a transmissão do vírus.

A Rússia registrou 23.309 novos casos do novo coronavírus na sexta-feira, o menor número desde o dia 18 de novembro, mas os óbitos subiram de 454 na quinta-feira para 470, de acordo com as autoridades sanitárias locais. O total de casos no país chega a 3.379.103, com 61.381 óbitos.

De acordo com o levantamento mais recente da Universidade Johns Hopkins, o mundo já registra 88.969.386 casos de covid-19 e 1.915.540 mortes.

Irã veda testes clínicos de vacinas contra a Covid-19

No Irã, o presidente do país, Hassan Rouhani, disse neste sábado (9), em pronunciamento feito na televisão, que empresas estrangeiras não poderão fazer testes clínicos de vacinas contra a Covid-19.

A declaração vem um dia após o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do país, proibir a importação de vacinas dos Estados Unidos e Reino Unido, declarando que os países não são confiáveis e que os imunizantes podem “espalhar a doença”. O Irã tem 1.280.438 casos registrados de covid-19, com 56.100 mortes.

Deixe um comentário