Você está visualizando atualmente Gustavo Petro alfineta Lula em discurso na Cúpula da Amazônia

Gustavo Petro alfineta Lula em discurso na Cúpula da Amazônia

Gustavo Petro alfineta Lula em discurso na Cúpula da Amazônia

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, alfinetou Lula (PT) em seu discurso na Cúpula da Amazônia em Belém, no Pará, nesta terça-feira (8).

A cúpula reúne os oito países com território na Amazônia.

Além de Brasil, compõem o grupo a Bolívia, a Colômbia, o Equador, a Guiana, o Peru, o Suriname e a Venezuela. Eles integram a Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA).

Petro criticou a exploração de petróleo e falou em conflito com “forças progressistas que deveriam estar ao lado da ciência”.

“Há um enorme conflito ético, sobretudo por forças progressistas, que deveriam estar ao lado da ciência”, afirmou o presidente colombiano ao discutir o dissenso entre os integrantes da OTCA.

Segundo ele, governos progressistas recorrem ao discurso da “transição” para defender a manutenção das fontes de energia não renováveis, como o petróleo.

“[Os governos de] direita têm um fácil escape, que é o negacionismo. Negam a ciência. Para os progressistas, é muito difícil. Gera então outro tipo de negacionismo: falar em transições”, disse Petro.

A declaração do colombiano se dá mediante meses de embate no governo Lula sobre um plano da Petrobras para explorar petróleo na foz do Amazonas. Lula defende o projeto.

“Se explorar esse petróleo tiver problemas para a Amazônia, certamente não será explorado. Mas eu acho difícil, porque fica a 530 km de distância da Amazônia”, disse o petista em maio.

Segundo o Globo publicou nesta terça, a AGU deve apresentar um documento nos próximos dias para viabilizar o projeto de exploração de petróleo.

A matéria é motivo de embate entre os ministros do Meio Ambiente, Marina Silva (Rede), e de Minas e Energia, Alexandre Silveira (PSD), responsável pela Petrobras.

No dia 17 de maio, o Ibama vetou uma licença ambiental à estatal para explorar petróleo na Foz do Amazonas. A decisão técnica se deu sem conhecimento prévio de Lula.

“Não restam dúvidas de que foram oferecidas todas as oportunidades à Petrobras para sanar pontos críticos de seu projeto, mas que este ainda apresenta inconsistências preocupantes para a operação segura em nova fronteira exploratória de alta vulnerabilidade socioambiental”, aponta relatório do órgão.

O presidente do Ibama, Ricardo Agostinho, que assina a nota, ainda comparou o projeto ao caso da usina hidrelétrica de Belo Monte, que levou ao primeiro rompimento de Marina com o PT, após ser derrotada pela então ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff.

A Petrobras reapresentou pedido para explorar a região no final de maio, após Silveira mandar a estatal contornar o veto do Ibama e manter as sondas de exploração já instaladas na foz “dentro da mais estrita legalidade”.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário