Juntas igrejas evangélicas acumulam dívidas de quase meio bilhão de reais

Juntas igrejas evangélicas acumulam dívidas de quase meio bilhão de reais

Juntas igrejas evangélicas acumulam dívidas de quase meio bilhão de reais

Um levantamento realizado pela Agência Pública, através da Lei de Acesso à Informação, apontou que cerca de 1283 organizações religiosas, a maioria evangélicas, acumulam dívidas que, juntas, beiram o meio milhão de reais.

Anúncios

O valor total das dívidas dessas entidades é de R$ 460 milhões, e ao menos 23 delas possui uma dívida particular superior a R$ 1 milhão.

A campeã de dívidas é a Igreja Internacional da Graça de Deus, que deve mais de R$ 127 milhões (quase um quarto da dívida acumulada entre todas as entidades), segundo dados verificados em agosto de 2019. O líder da seita, o missionário Romildo Ribeiro Soares, é um dos muitos líderes evangélicos aliados de Jair Bolsonaro, e se reuniu pessoalmente com o presidente este ano, em duas ocasiões, em agosto e em novembro – na primeira delas, também estavam presentes o então secretário da Receita, Marcos Cintra, o ministro da Economia, e o deputado David Soares (DEM-SP), filho do religioso.

É importante ressaltar que a maior parte da dívida da Igreja Internacional é com a Previdência, e se refere a valores não pagos sobre a folha de pagamento dos seus funcionários – entre os quais se incluiriam até mesmo alguns pastores.

A segunda colocada do ranking de religiosos devedores é a também neopentecosl Igreja Mundial do Poder de Deus, do pastor Valdemiro Santiago, cujo valor não pago à Receita é de R$ 83 milhões – dos quais R$ 5,7 se referem a contribuições ao FGTS que não foram pagas. Assim como Soares, Santiago também iniciou seu projeto próprio depois de sair da Igreja Universal do Reino de Deus.

O bronze no ranking é de uma organização católica, a Sociedade Vicente Pallotti, com sede na cidade de Santa Maria (RS), que deve R$ 61 milhões à União, sendo quase a totalidade desse valor (R$ 59 milhões) referente a contribuições previdenciárias.

Fonte: Revista Fórum

Deixe um comentário