Você está visualizando atualmente Lira vai cortar salário de deputados ausentes nesta sexta

Lira vai cortar salário de deputados ausentes nesta sexta

Lira vai cortar salário de deputados ausentes nesta sexta

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), informou que as votações desta sexta-feira (15), terão efeitos administrativos para os parlamentares que não participarem da sessão. Na pauta, Lira pretende avançar com a Medida Provisória (MP) das subvenções e a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) da reforma tributária.

O plenário está esvaziado, mas os deputados foram liberados para que votem pelo sistema remoto. Ou seja, aquele deputado que não registrar presença na sessão terá o dia descontado do seu salário, caso não apresente uma justificativa à presidência da Casa.

Lira abriu a sessão com a MP das subvenções como o primeiro item da pauta. A proposta é tida como prioridade pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para ampliar a arrecadação. A expectativa é de arrecadar até 35 bilhões de reais.

Além disso, o presidente da Câmara pretende liquidar ainda nesta sexta a votação da reforma tributária. O acordo para que o tema fosse levado ao plenário foi costurado depois de uma série de encontros de Lira com líderes partidários na quinta-feira (14).

“Precisamos acalmar a demanda de alguns setores que querem pleitos que não estavam no texto original. Temos que ter cautela e manter as conquistas que a Câmara trouxe, numa votação histórica – um texto equilibrado, discussões centradas do que é imprescindível, que é desburocratizar e deixar mais transparente a forma de cálculo dos tributos e de uma maneira federativa”, disse Lira.

O que é a reforma tributária?

A reforma tributária extingue cinco impostos (PIS, Cofins e IPI federais, ICMS estadual e ISS municipal) do sistema tributário brasileiro. No lugar, serão criados o imposto federal, que se chamará Contribuição sobre Bens e Serviços (CBS), e o estadual, o Imposto sobre Bens e Serviços (IBS).

A proposta, que já passou tanto pela Câmara quanto pelo Senado, voltou para outra análise dos deputados, após alterações feitas pelos senadores. Para ser aprovada, a proposta precisa de 308 votos em dois turnos. Se não houver mais mudanças, o texto vai à promulgação, a ser feita em sessão do Congresso Nacional.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário