Você está visualizando atualmente Lula leva bronca de Nobel da Paz iraniana

Lula leva bronca de Nobel da Paz iraniana

Lula leva bronca de Nobel da Paz iraniana

Vencedora do Nobel da Paz de 2003, a ativista pelos direitos humanos iraniana Shrin Ebadi criticou Lula por seu silêncio sobre a repressão do regime teocrático do Irã.

“Lamento com amargura que o presidente Lula não esteja bem informado”, disse Ebadi em entrevista à Folha de S. Paulo publicada na noite de sexta-feira, 8 de março.

“Se ele é de esquerda e defensor da classe operária, deveria saber que o regime iraniano é inimigo da classe operária”, acrescentou.

A ativista iraniana criticou, em específico, a obsessão de Lula com o antiamericanismo em sua política externa.

“Para ser justo, não basta se insurgir contra os EUA e protestar. É preciso ter outras coisas a dizer”, afirmou Ebadi.

“O presidente Lula tem tendência a achar que basta ser contra os EUA para que se esteja do lado dele, que os inimigos dos meus inimigos são meus amigos”, acrescentou.

O antiamericanismo da diplomacia presidencial de Lula foi tema de episódio do podcast Latitude em fevereiro com o embaixador Paulo Roberto de Almeida, colunista de Crusoé.

Lula segue se explicando sobre militares

No mês em que se completa 60 anos do golpe civil-militar de 1964, Lula (PT; foto) tenta afagar os militares com declarações relativizando a participação das Forças Armadas na política.

Nesta sexta-feira, 8 de março, o petista afirmou que “os militares sempre tiveram uma interferência na política brasileira”.

“No Brasil, tudo é mais demorado. Nossa independência foi mais demorada. O fim da escravidão, a nossa democracia… Desde que foi proclamada a República, que foi um golpe contra o imperador, os militares sempre tiveram uma interferência na política brasileira”, disse Lula em almoço com servidoras do Executivo para o Dia das Mulheres.

“Remoendo sempre”

A declaração desta sexta vem na esteira de outra relativização da participação militar na política.

Lula minimizou a ditadura civil-militar de 1964 em sua entrevista gravada à RedeTV transmitida na noite de 27 de fevereiro.

O petista afirmou que não quer “ficar remoendo sempre” em relação à memória da repressão.

Ele havia sido questionado sobre o impacto do legado da ditadura sobre a relação do governo com as Forças Armadas atualmente.

“Eu, sinceramente, vou tratar da forma mais tranquila possível. Eu estou mais preocupado com o golpe de 8 de janeiro de 2023 do que com 64. Eu tinha 17 anos de idade, estava dentro da metalúrgica Independência quando aconteceu o golpe de 64”, disse Lula.

Isso já faz parte da história. Já causou o sofrimento que causou. O povo já conquistou o direito de democratizar esse país”, acrescentou.

Então, Lula afirmou: “O que eu não posso é não saber tocar a história para frente, ficar remoendo sempre, remoendo sempre, ou seja, é uma parte da história do Brasil que a gente ainda não tem todas as informações”.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário