Você está visualizando atualmente Ministra de Lula admite que governo não solucionou crise Yanomami

Ministra de Lula admite que governo não solucionou crise Yanomami

Ministra de Lula admite que governo não solucionou crise Yanomami

A ministra dos Povos Indígenas, Sonia Guajajara, admitiu nesta terça-feira (16), que o governo Lula (PT) não conseguiu resolver o problema da crise nas Terras Indígenas Yanomami. Segundo ela, o governo petista subestimou o problema e a questão não deve ser solucionada em 2024.

“Não é só falar que [a crise] não se resolveu em 2023. De fato, não se resolveu. E provavelmente não se resolverá em 2024, considerando a situação complexa que temos. Mas pegamos o território nessa situação. Achamos que era só uma crise sanitária, mas tinha toda essa questão do garimpo impregnado”, afirmou Guajajara em live no Instagram com o secretário de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Weibe Tapeba.

Segundo a ministra, o governo está saindo de “ações emergenciais” para “ações permanentes de acompanhamento e fiscalização” que estão sendo discutidas dentro da Casa Civil, chefiada por Rui Costa. O ministério ficará responsável pela estruturação de uma Casa de Governo em Roraima que pretende monitorar de perto o cenário Yanomami e prestar auxílio aos indígenas.

Como mostrou Crusoé, praticamente nada mudou na maior terra indígena do Brasil desde que Lula assumiu a presidência. Em 2022, ainda sob a gestão Jair Bolsonaro (PL), foram registradas 343 mortes de indígenas na região, 35 a mais que durante o primeiro ano de mandato do presidente petista, que registrou 308. Do total, 53% das mortes, em 2023, foram de crianças.

Recentemente, Lula disse que o país não pode “perder a guerra” contra o garimpo ilegal em Terras Indígenas Yanomamis na Amazônia. Se passarem 12 meses e ele ainda não começou o combate contra. Em janeiro do ano passado, ele decretou estado de emergência de saúde pública na região.

Segundo o portal G1, o povo Yanomami continua vivendo em situação de precariedade. Como em 2022, no início deste ano as imagens de crianças doentes, desnutridas, com ossos à mostra se repetem. A maioria das mortes na região são causadas por malária, pneumonia e desnutrição.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário