Você está visualizando atualmente No apagar das luzes, Lira inicia votação da PEC da Anistia

No apagar das luzes, Lira inicia votação da PEC da Anistia

No apagar das luzes, Lira inicia votação da PEC da Anistia

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), decidiu colocar em votação, nesta quinta-feira (11), a chamada PEC da Anistia, que tem o objetivo de dar o maior perdão da história a irregularidades cometidas por partidos políticos.

A proposta anistia as legendas que descumpriram a cota mínima de recursos ou que não destinaram os valores mínimos para candidaturas de negros e mulheres nas eleições de 2022 para trás. O texto também institui uma espécie de Refis eleitoral, destinado especificamente aos partidos inadimplentes com a União.

A votação é a última antes do recesso legislativo e ocorre no apagar das luzes do semestre parlamentar.

Vale lembrar que não são usuais as votações às quintas, dia em que normalmente os parlamentares deixam Brasília e seguem para as suas bases eleitorais.

A decisão de Lira foi sacramentada na manhã desta quinta-feira, após reunião de líderes. A votação desagradou bancadas como a do Novo, PSOL, que são contrárias ao texto. Lira também ignorou apelos de outros líderes e um prévio acordo para colocar esse tema em votação apenas no segundo semestre.

A PEC foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), mas ficou parada na Comissão Especial sobre o tema. Como não houve votação no prazo, o presidente da Câmara pode levar o assunto diretamente para o plenário.

Lira tenta desde o início de junho pautar o tema, mas só conseguiu agora após um acordo que contemplou principalmente os partidos de esquerda. Após sair da comissão especial, a PEC estabelecia um piso de 20% dos recursos do fundão eleitoral a ser destinado às candidaturas pretas ou pardas. Agora, no novo substitutivo apresentado nesta quarta-feira à noite, esse patamar mínimo é de 30%.

A articulação para aprovar a medida conta com apoio de partidos como o PT, do presidente Lula, e do PL, do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Para que uma emenda à Constituição seja aprovada, é necessário o voto de ao menos 60% dos deputados federais e dos senadores, em dois turnos de votação em cada Casa legislativa. Se for aprovada pelos deputados, a PEC da Anistia ainda vai precisar passar pelo Senado.

O tema é de interesse dos partidos, já que a anistia pode chegar a R$ 23 bilhões – valor das multas aplicadas às agremiações e que ainda são alvo de recursos na Justiça Eleitoral.

Quando o caso tramitou na CCJ, a bancada do PL, do ex-presidente Jair Bolsonaro, e a do PT, do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, se aliaram no intuito de garantir a aprovação do texto.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário