Você está visualizando atualmente No primeiro ano de Lula, número de empregados sem carteira é o maior da história

No primeiro ano de Lula, número de empregados sem carteira é o maior da história

No primeiro ano de Lula, número de empregados sem carteira é o maior da história

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, divulgados nesta quarta-feira (31), relevam que, após o primeiro ano do governo Lula 3, o número de empregados sem carteira assinada é o maior da história.

Segundo os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 13,5 milhões de pessoas estavam empregadas, mas sem ter carteira assinada. Em 2012, no início da série história, 11,1 mil trabalhadores estavam nesta situação.

O menor patamar de trabalhadores sem carteira assinada foi registrado em 2020, quando 9 milhões de trabalhadores estavam sem esse tipo de benefício. Depois disso, houve crescimento do número de empregados sem carteira no Brasil até chegar ao patamar de 12,9 milhões no final de 2022.

Em comparação com o mesmo período de 2022, houve um crescimento de aproximadamente 5% nesse tipo de relação trabalhista, conforme os dados divulgados nesta sexta-feira pelo IBGE.

Quem são os trabalhadores sem carteira?

Entre essa massa de trabalhadores estão, por exemplo, profissionais de aplicativos como Uber, Ifood, que tem sido incorporados à massa de trabalhadores, mas sem necessariamente ter vínculo formal com a empresa.

Em fevereiro do ano passado, a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, já alertava para essa realidade ao longo do ano de 2023.

Reforma trabalhista é criticada por ministro

Ao longo do ano passado, o ministro do Trabalho, Luiz Marinho, tem tentado – sem sucesso até o momento – incentivar a formalização destes trabalhadores. Para ele, esse cenário é fruto, principalmente, da reforma trabalhista instituída no governo Michel Temer (MDB).

“Fizeram um desmonte na legislação trabalhista, prometendo geração de empregos em massa, mas o que aconteceu foi a precarização do trabalho. Por isso precisamos olhar o todo do conjunto da economia, que precisa crescer de forma saudável, perene e contínua. Voos de galinha não resolvem o problema da economia”, declarou ele no ano passado, durante uma entrevista de imprensa sobre os dados do Caged.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário