Nota do Ministério da Defesa sobre Gilmar é o bastante, diz Heleno

Nota do Ministério da Defesa sobre Gilmar é o bastante, diz Heleno

Nota do Ministério da Defesa sobre Gilmar é o bastante, diz Heleno

Embora irritados nos bastidores, ministros militares decidiram evitar embate público com o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, que, no fim de semana, afirmou que o Exército “está se associando a genocídio” durante a pandemia.

Anúncios

“O Ministério da Defesa já publicou uma nota a respeito, sem citar nomes. A nota é muito esclarecedora”, afirmou o titular do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno. “A nota é o bastante”, emendou.

A mesma postura foi adotada por interlocutores do ministro-chefe da Casa Civil, general Braga Netto, e pelo vice-presidente, Hamilton Mourão. “O Ministério da Defesa já se pronunciou”, limitou-se a responder Mourão na manhã desta segunda-feira (13).

Medidas cabíveis

Apesar de ministros militares evitarem embate público, o titular da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva,  e integrantes da cúpula das Forças Armadas avaliam nos bastidores o que seus interlocutores e aliados chamam de “medidas cabíveis” contra o ministro do Supremo.

Azevedo e Silva e os comandantes das três Forças – Exército, Marinha e Aeronáutica — se dizem “indignados” com declaração de Gilmar. A irritação seria principalmente com uso da palavra “genocídio” por um ministro do STF, que entende exatamente a gravidade do crime.

Na manhã desta segunda-feira, os militares se diziam ainda mais irritados com o fato de Gilmar não ter se retratado. Na avaliação da cúpula das Forças Armadas, isso sinaliza que o uso do termo “não foi um mal-entendido” e representa o real pensamento do ministro do Supremo.

Irritação na caserna

A nota mencionada por Heleno e Mourão foi divulgada no sábado (11) pelo ministério. Nela, a pasta diz que as Forças Armadas vêm “atuando sempre para o bem-estar de todos os brasileiros” e elenca medidas tomadas pelos militares, como barreiras sanitárias e ações de descontaminação.

Segundo o âncora da CNN Caio Junqueira, nos bastidores, militares avaliaram a primeira nota como muito branda e uma segunda nota, citando nominalmente Gilmar Mendes, passou a ser exigida do ministro da Defesa.

O novo comunicado chegou a ficar pronto, mas o debate passou a ser sobre a viabilidade política de publicá-lo. A avaliação foi de que voltaria a acirrar os ânimos entre o STF e o Planalto em um momento em que Jair Bolsonaro busca distensionar a relação com os outros poderes.

Fonte: CNN Brasil

Deixe um comentário