Você está visualizando atualmente PF abre inquérito para investigar ida de Bolsonaro à embaixada da Hungria

PF abre inquérito para investigar ida de Bolsonaro à embaixada da Hungria

PF abre inquérito para investigar ida de Bolsonaro à embaixada da Hungria

A Polícia Federal (PF) instaurou inquérito nesta segunda-feira (25), para investigar por quais motivos o ex-presidente Jair Bolsonaro passou duas noites na embaixada da Hungria após a Operação Tempus Veritatis, deflagrada em 8 de fevereiro.

A operação da PF investigava uma trama para um suposto golpe de Estado no país. Como parte das investigações, o ministro Alexandre de Moraes do STF determinou a apreensão do passaporte de Jair Bolsonaro como medida restritiva justamente para ele não fugir do país.

O jornal americano The New York Times revelou imagens que mostram que Bolsonaro passou 48 horas na embaixada da Hungria quatro dias após a deflagração da operação da PF.

O jornal sugere que Bolsonaro estava tentando uma aproximação com Viktor Orban, primeiro-ministro da Hungria, com planos de escapar do sistema judicial brasileiro. Os agentes da PF informaram a O Antagonista, porém, que essa hipótese não pode ser descartada, embora não se tenha elementos que fundamentem essa tese neste momento.

“Não vou negar

Após a divulgação das imagens, a defesa de Jair Bolsonaro confirmou que o ex-presidente esteve na embaixada, mas para tratar de assuntos de interesse nacional,

“Nos dias em que esteve hospedado na embaixada magiar, a convite, o ex-presidente brasileiro conversou com inúmeras autoridades do país amigo atualizando os cenários políticos das duas nações. Quaisquer outras interpretações que extrapolem as informações aqui repassadas se constituem em evidente obra ficcional, sem relação com a realidade dos fatos e são, na prática, mais um rol de fake news”, afirmou a defesa do ex-presidente por meio de nota oficial.

Gravações

New York Times diz ter analisado três dias de gravações, de segunda-feira, 12 de fevereiro, a quarta-feira, 14 de fevereiro. Durante esses dias, Bolsonaro teria sido discreto. O jornal americano destaca as relações entre Bolsonaro e Orban, a quem o ex-presidente brasileiro já chamou de “irmão”, e diz que a rotina da embaixada mudou durante a passagem de Bolsonaro.

“No dia 14 de fevereiro, os diplomatas húngaros contataram os funcionários brasileiros locais, que deveriam retornar ao trabalho no dia seguinte, instruindo-os a ficar em casa pelo resto da semana, segundo o funcionário da embaixada. Eles não explicaram o porquê, disse o funcionário”, diz o jornal.

Rotina

As imagens mostram também os funcionários da embaixada carregando roupas de cama e água. Na manhã seguinte à chegada de Bolsonaro, uma cafeteira também aparece sendo levada para o local onde ele estava.

O ex-presidente brasileiro pode ser visto deixando a embaixada à 16h14 de 14 de fevereiro. Onze dias depois, ele estava na avenida Paulista rodeado de aliados, numa reação à série de investigações de que se tornou alvo.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário