Presidentes de partidos se reúnem com Alexandre de Moraes contra voto impresso

Presidentes de partidos se reúnem com Alexandre de Moraes contra voto impresso

Presidentes de partidos se reúnem com Alexandre de Moraes contra voto impresso

Dias depois de dar início a um movimento coletivo contra a adoção de medidas para o voto impresso nas eleições brasileiros, presidentes de partidos, entre os quais legendas aliadas ao governo Jair Bolsonaro, se reuniram na manhã desta quarta-feira (30) com os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes para discutir uma maneira de o assunto ser definido pelo Congresso, evitando a judicialização do tema. A convite de Moraes, que presidirá o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) nas eleições de 2022, o ministro Gilmar Mendes também participou da conversa.

Anúncios

Segundo relatos feitos à CNN, um dos caminhos defendidos no encontro foi o aumento do número de urnas eletrônicas que hoje passam por teste de integridade. Hoje, segundo o TSE, cerca de cem urnas passam pelo processo de verificação sobre a segurança do processo eleitoral. A ideia seria aumentar para 1000.

O teste de integridade é feito na véspera da eleição em todo o país, quando um grupo de voluntários vota tanto de forma eletrônica como impressa. No final, os resultados são conferidos. O processo é acompanhado por uma empresa de auditoria independente. A proposta é que a testagem seja também acompanhada por integrantes de partidos.

A CNN apurou que 10 partidos participaram do encontro em Brasília: Paulo Pereira da Silva, do Solidariedade; Luciano Bivar, do PSL; Baleia Rossi, do MDB; Gilberto Kassab, do PSD; Valdemar Costa Neto, do PL; Luís Tibé, do Avante. Os presidentes do DEM, ACM Neto, e do PSDB, Bruno Araújo, participaram pelo telefone.

O PP, de Ciro Nogueira, e o Republicanos, de Marcos Pereira, foram representados, respectivamente, pelos deputados Margarete Coelho (PP-PI) e Márcio Marinho (Republicanos-BA). O ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia também esteve no encontro.

A reunião acontece no momento em que esses partidos têm feito um movimento para impedir o avanço da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do voto impresso na comissão especial da Câmara. Na segunda-feira (28), o deputado Filipe Barros (PSL-PR) apresentou parecer favorável à proposta que exige a impressão de um comprovante do voto nas eleições para checagem do resultado. Houve um pedido de vista coletivo, o que adiou a votação do relatório.

A articulação desses partidos, que já teriam maioria para derrotar a proposta no plenário da Câmara, tem como objetivo encerrar a discussão ainda na comissão especial. Por se tratar de uma PEC, são necessários 308 votos favoráveis dos 513 deputados.

Fonte: CNN Brasil

Deixe um comentário