Você está visualizando atualmente PT usa caso Choquei para defender regulação das redes

PT usa caso Choquei para defender regulação das redes

PT usa caso Choquei para defender regulação das redes

Aliados do presidente Lula se manifestaram nas redes sociais sobre a morte de Jéssica Vitória Canedo e defenderam a regulação das plataformas digitais. A jovem de 22 anos cometeu suicídio dias após a divulgação de uma notícia falsa no Choquei e em outros perfis de fofoca.

Em publicação no X, o antigo Twitter, o deputado Zeca Dirceu, líder do PT na Câmara dos Deputados, afirmou que o caso de Jéssica “é mais uma tragédia provocada pelas Fake News e seus propagadores”. 

“Precisamos avançar em 2024 na tramitação do PL 2630 – Fake News, isso deve ser prioridade já no início do ano para o parlamento”, acrescentou ao compartilhar um vídeo de uma propaganda do governo federal contra as fake news.

Também no X, a ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, afirmou que a morte de Jéssica “é mais uma tragédia fruto da irresponsabilidade de perfis nas redes sociais que lucram com a misoginia e disseminação de mentiras e, igualmente, da falta de responsabilização das plataformas”.

A ministra disse ser “inadmissível” que o conteúdo propagado por páginas de fofoca “não tenha sido retirado do ar nem pelo dono da página nem pela plataforma X ao longo de quase uma semana, mesmo depois dos apelos da própria Jéssica e de sua mãe”.

Jéssica foi citada na Choquei e em outras páginas de fofoca por suposto caso com o humorista Whindersson Nunes. Os dois negaram ter relações.

Em publicação no Instagram, a jovem chegou a afirmar que estava recebendo mensagens de ódio. Whindersson afirmou desconhecer a jovem: “Isso é um print fake”, escreveu.

O ministro dos Direitos Humanos, Silvio Almeida, também usou o caso Choquei para defender o projeto de lei das Fake News. A publicação do ministro foi compartilhada pela deputada Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT.

Como temos mostrado, o partido de Lula defende que o projeto de lei das Fake News seja uma das prioridades do Legislativo para o ano de 2024. A votação da proposta foi adiada diversas vezes neste ano.

Relatado pelo deputado Orlando Silva (PCdoB), o projeto estabelece que as big techs sejam responsabilizadas civilmente por publicações indevidas de seus usuários. O texto também diz que quando houver patrocínio de desinformação, ou seja, quando um usuário paga a plataforma para que o conteúdo seja entregue a mais pessoas, a empresa será corresponsável pela publicação.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário