Você está visualizando atualmente Senado pretende votar fim da reeleição até dezembro

Senado pretende votar fim da reeleição até dezembro

Senado pretende votar fim da reeleição até dezembro

Em uma reunião, nesta quinta-feira (05), senadores chegaram a um consenso para votar até o final deste ano uma proposta de emenda constitucional que prevê o fim da reeleição e a adoção de mandatos de cinco anos para os cargos de presidente, governadores e prefeitos.

O objetivo é frear um “estado eleitoral permanente” e permitir que os mandatários tomem decisões sem se preocuparem com a busca por popularidade, informa o Globo.

Nos próximos dias, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, deverá escolher um senador para relatar essa PEC na casa. Pacheco já havia demonstrado interesse em discutir o assunto durante um evento no Rio de Janeiro na semana passada.

Durante a Conferência da Fides (Federação Interamericana das Empresas de Seguros), no Rio de Janeiro, Pacheco questionou a eficácia da reeleição no poder Executivo e destacou sua percepção de que não foi benéfica para o Brasil. Segundo ele, todos os líderes presentes na reunião concordaram que o fim da reeleição seria positivo para o país.

“Eu indago o instituto da reeleição no Poder Executivo: fez bem ao Brasil? A minha percepção é de que não foi bom para o país. Quando se coloca no colégio de líderes, todos tendem a acreditar que o fim da reeleição seja bom para o Brasil”, disse o presidente do Senado.

A proposta em discussão também visa alongar os mandatos de quatro para cinco anos e buscar a sincronização das eleições gerais. Pacheco acredita que essas mudanças seriam importantes para evitar um “estado eleitoral permanente” e permitir que os mandatários tomem decisões sem se preocuparem com a busca por popularidade.

“Aquele mandatário que tem a oportunidade de governar e, por vezes, deixa de tomar medidas por vezes antipáticas em função da reeleição, pela perspectiva de ter votos (…). A reeleição acaba sendo um instituto que inibe a autonomia e o dever que tem o mandatário de tomar as decisões”, acrescentou Pacheco.

A discussão na reunião de líderes é para que essa proposta, assim como a que limita o mandato de ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), caso seja aprovada, entre em vigor apenas em 2030. Isso garantiria um longo período de transição da aprovação da medida até a sua implementação efetiva.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário