Senadores dizem que fala de Bolsonaro é reação à CPI: ‘atraso fatal’

Senadores dizem que fala de Bolsonaro é reação à CPI: ‘atraso fatal’

Senadores dizem que fala de Bolsonaro é reação à CPI: ‘atraso fatal’

Membros da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia divulgaram uma nota rebatendo o pronunciamento feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na noite de hoje (2).

Anúncios

Para eles, o pronunciamento de Bolsonaro é uma reação à atuação da CPI e sua fala sobre as vacinas vem com um “atraso fatal e doloroso”. “A reação é consequência do trabalho desta CPI e da pressão da sociedade brasileira que ocupou as ruas contra o obscurantismo. Embora sinalize com recuo no negacionismo, esse reposicionamento vem tarde demais”, escreveram.

Os senadores defendem que o tom de hoje pelo presidente deveria ter sido adotado há um ano: “O Brasil esperava esse tom em 24 de março de 2020, quando inaugurou-se o negacionismo minimizando a doença, qualificando-a de ‘gripezinha’.

A nota foi assinada pelos senadores Omar Aziz (PSD-AM), presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente, Renan Calheiros (MDB-AL), relator, além dos membros efetivos Tasso Jereissati (PSDB-CE), Humberto Costa (PT-PE), Eduardo Braga (MDB-AM) e dos suplentes Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Rogério Carvalho (PT-SE).

Os membros da CPI questionaram ainda a atuação do presidente ao longo da pandemia, relembrando que ele desqualificou vacinas, estimulou aglomerações e prescreveu medicamentos ineficazes para a covid-19.

A atuação do governo federal desde o início da crise sanitária foi marcada pela negação do isolamento social. Bolsonaro convocou e participou de manifestações diversas vezes, é visto frequentemente sem máscaras de proteção e chegou a dizer que não compraria a CoronaVac por ser uma vacina chinesa.

Além disso, o governo Bolsonaro insiste ainda hoje na defesa da cloroquina, remédio ineficaz no tratamento da covid-19.

“Um atraso de 432 dias e a morte de quase 470 mil brasileiros, desumano e indefensável. A fala deveria ser materializada na aceitação das vacinas do Butantan e da Pfizer no meio do ano passado, quando o governo deixou de comprar 130 milhões de doses, suficientes para metade da população brasileira.”

Confira a Nota na íntegra

NOTA PÚBLICA

 

A inflexão do Presidente da República celebrando vacinas contra a Covid-19 vem com um atraso fatal e doloroso. O Brasil esperava esse tom em 24 de março de 2020, quando inaugurou-se o negacionismo minimizando a doença, qualificando-a de ‘gripezinha’.

Um atraso de 432 dias e a morte de quase 470 mil brasileiros, desumano e indefensável. A fala deveria ser materializada na aceitação das vacinas do Butantan e da Pfizer no meio do ano passado, quando o governo deixou de comprar 130 milhões de doses, suficientes para metade da população brasileira. Optou-se por desqualificar vacinas, sabotar a ciência, estimular aglomerações, conspirar contra o isolamento e prescrever medicamentos ineficazes para a Covid-19.

A reação é consequência do trabalho desta CPI e da pressão da sociedade brasileira que ocupou as ruas contra o obscurantismo. Embora sinalize com recuo no negacionismo, esse reposicionamento vem tarde demais. A CPI volta a lamentar a perda de tantas vidas e dores que poderiam ter sido evitadas.

 

Omar Aziz- Presidente CPI

Randolfe Rodrigues – Vice Presidente CPI

Renan Calheiros – Relator

 

Em apoio

membros efetivos:

Tasso Jereissati

Otto Alencar

Humberto Costa

Eduardo Braga

 

Suplentes:

Alessandro Vieira

Rogério Carvalho

 

Fonte: Bol

Deixe um comentário