You are currently viewing STF decide que entidades religiosas que prestam assistência social podem ter imunidade tributária

STF decide que entidades religiosas que prestam assistência social podem ter imunidade tributária

STF decide que entidades religiosas que prestam assistência social podem ter imunidade tributária

O plenário virtual Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que entidades religiosas podem se beneficiar da imunidade tributária dada às instituições de assistência social, abrangendo, além de impostos sobre o seu patrimônio, renda e serviços, os tributos sobre a importação de bens.

Anúncios

Para os ministros, a filantropia exercida com base em preceitos religiosos não desvirtua a natureza assistencial das entidades, para fins de direito à imunidade. O caso tem repercussão geral, ou seja, a decisão valerá para todos os tribunais do país.

O colegiado analisou um recurso apresentado pela Associação Torre de Vigia de Bíblias e Tratados contra decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que considerou inaplicável a imunidade tributária referente ao imposto de importação e ao imposto sobre produtos industrializados sobre papel especial para impressão de bíblias.

No STF, a associação afirmava ser entidade beneficente de assistência social, devidamente certificada pelos órgãos competentes e com caráter filantrópico reconhecido em documentos públicos.

Prevaleceu entendimento do relator, ministro Luís Roberto Barroso, de que as ações assistenciais exercidas por entidades religiosas são compatíveis com o modelo constitucional brasileiro de assistência social.

“O caráter universal das ações assistenciais (prestadas a todos que necessitarem, independentemente do pagamento de contribuições, tendo como objetivos, entre outros, a proteção à família, à maternidade e à infância) é exigível somente do Estado. A universalidade esperada das entidades privadas é que dirijam suas ações indistintamente à coletividade por elas alcançada, especialmente às pessoas em situação de vulnerabilidade ou risco social”, disse.

Para Barroso, a imunidade não deve ser restrita ao patrimônio, à renda ou aos serviços decorrentes: ela abrange, também, eventuais propósitos paralelos, desde que os valores obtidos sejam revertidos à consecução dos seus objetivos sociais.

“O alcance da imunidade é determinado pela destinação dos recursos auferidos pela entidade, e não pela origem ou natureza da renda”, afirmou Barroso.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário