Você está visualizando atualmente TCU vai investigar licitação do STF sobre monitoramento de redes sociais

TCU vai investigar licitação do STF sobre monitoramento de redes sociais

TCU vai investigar licitação do STF sobre monitoramento de redes sociais

A pedido do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União, a Corte instaurou procedimento para investigar o procedimento licitatório para monitoramento on line e em tempo real da presença digital do Supremo Tribunal Federal (STF) nas redes sociais.

O STF abriu licitação para contratar uma empresa que vai monitorar tudo o que será dito pelo Supremo nas redes sociais. O pacote de serviços inclui a entrega de alertas (enviados por mensagem instantânea), relatórios analíticos (diário, semanal e mensal com análise quantitativa e qualitativa), boletins eventuais e elaboração de plano mensal de ação estratégica para atuação em redes sociais.

O STF, por sua vez, afirmou que essa contratação trata-se de um serviço complementar de clipping da Corte.

Esse monitoramento, segundo o STF, tem como objetivo “mostrar a evolução da imagem do STF, além de indicar os assuntos mais relevantes abordados pelos usuários, classificação dos registros (positivo, negativo e neutro), identificação das principais fontes influenciadoras e detratoras e sugestão de aprimoramento da comunicação com esses públicos”.

A investigação no TCU foi solicitada pelo suprocurador-geral Lucas Furtado e o caso está sob a relatoria do ministro Jhonatan de Jesus. É de praxe o TCU abrir procedimentos após a apresentação de denúncias sobre gastos públicos.

A licitação do STF sobre redes sociais

A entrega das propostas ocorreu em 14 de junho último e o caso está na fase de análise recursal.

Pelo serviço, o STF espera pagar até R$ 344 mil por um período de um ano.

Esse monitoramento, conforme o próprio STF, vai abranger o Instagram, o TikTok, o Facebook, o X (antigo Twitter), Youtube, Linkedin e até blogs.

Ainda conforme o certame, os relatórios serão entregues às 8h da manhã e às 22h. Além disso, estão previstas as entregas de análises diárias, semanais, mensais e planos de ações mensais.

A iniciativa do STF vem no bojo de um acordo feito há aproximadamente duas semanas em que representantes das plataformas YouTube, Google, Meta (que controla Facebook, Instagram e WhatsApp), TikTok, Microsoft e Kwai firmaram com o Supremo para combater a desinformação.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário