Você está visualizando atualmente Todas as fichas de Haddad numa reunião com Pacheco

Todas as fichas de Haddad numa reunião com Pacheco

Todas as fichas de Haddad numa reunião com Pacheco

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, irá se reunir nesta segunda-feira (15), com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, para discutir a Medida Provisória (MP) que estabelece a reoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia.

Pacheco é pressionado por líderes partidários para devolver o texto ao Poder Executivo. Contudo, em coletiva de imprensa na terça (9), o senador afirmou que não tomaria nenhuma decisão antes de conversar com o chefe da equipe econômica.

“Não tomarei decisão de devolução [da MP] sem conversar com o ministro [da Economia] Fernando Haddad. É importante esse diálogo entre o legislativo e o executivo porque todos nós queremos dar a sustentação fiscal para o que abraçamos que foi a busca pelo déficit zero e isso precisa de uma arrecadação que seja compatível com os gastos que temos”, disse Pacheco.

Resistência política

Após reunião com líderes do Senado na terça, 9, Pacheco disse que a MP da reoneração eviada pelo governo causou “estranheza” entre as lideranças da Casa.

“Ela [a MP] gerou estranheza porque ela desconstitui algo que o Congresso Nacional se posicionou por mais de uma vez, seja aprovado o projeto, seja rejeitando um veto do presidente da República por maioria expressiva”, afirmou.

Ele também usou o termo “vício” para falar sobre uma possível inconstitucionalidade do texto. “Há percepção do colégio de líderes do Senado que há um vício na MP”.

Medida Provisória

A medida provisória foi editada pelo governo após a promulgação da Lei 14.784, de 2023, que prorroga a desoneração da folha salarial para 17 setores da economia para até o final de 2027. A legislação foi publicada após o Congresso derrubar o veto do presidente Lula ao projeto original.

Depois do envio da MP ao Congresso, Pacheco afirmou que havia a “necessidade da análise técnica” da proposta.

Proposta pelo ministro Fernando Haddad, a MP limita a desoneração para aumentar a arrecadação e alcançar a meta de zerar o déficit fiscal em 2024.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário