You are currently viewing TSE rejeita analisar consulta sobre preço de combustível em ano eleitoral

TSE rejeita analisar consulta sobre preço de combustível em ano eleitoral

TSE rejeita analisar consulta sobre preço de combustível em ano eleitoral

Por unanimidade, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou analisar uma consulta apresentada pelo governo de Jair Bolsonaro sobre a possibilidade de diminuir os preços dos combustíveis em ano eleitoral.

Anúncios

O ministro Carlos Horbach, relator do caso, a indagação formulada pelo governo seria inviável por não preencher requisitos de análise.

“No caso específico dos autos, além da existência de diversos projetos legislativos em trâmite e de ato normativo já editado justamente com o objetivo apontado nesta consulta, a denotar a existência de liame da indagação com situação concreta, não há especificação acerca de quais seriam as proposições legislativas e as implementações posteriores aludidas no questionamento, que, ademais, versa sobre condutas vedadas”, disse.

O ministro disse ainda que as condicionantes arroladas no documento demonstram a multiplicidade de cenários, o que gera a ausência de objetividade.

“Tendo em vista a necessidade de o ato de instituição de benefícios fiscais no ano em que ocorrerem as eleições ser apreciado e valorado com base no quadro fático-jurídico extraído do caso concreto, compreendo que o presente instrumento não é apto para se obter uma resposta, a priori, acerca da configuração da conduta como vedada ou não”, afirmou.

Horbach foi seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowsk, Mauro Campbell, Benedito Gonçalves, Sérgio Banhos e Edson Fachin.

Em 14 de fevereiro, a Advocacia-Geral da União formalizou a consulta para esclarecer se é possível reduzir o preço do combustível sem ferir a lei eleitoral.

A área técnica do TSE sugeriu que a Corte não analise a consulta formulada pelo governo. A Procuradoria-Geral Eleitoral também se manifestou pela rejeição do questionamento.

O vice-procurador-geral eleitoral, Paulo Gonet, em um documento de oito páginas, diz que a admissibilidade da consulta esbarra na jurisprudência da Corte, no sentido de não ser o  instrumento adequado para dirimir questionamentos sobre condutas vedadas aos agentes públicos em campanhas eleitorais

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário