You are currently viewing Youtube cancela monetização dos vídeos de Monark

Youtube cancela monetização dos vídeos de Monark

Youtube cancela monetização dos vídeos de Monark

Anúncios

Ontem, o YouTube penalizou o produtor de conteúdo Bruno Aiub, conhecido como Monark, cancelando a monetização de todos os vídeos publicados em seu canal particular, que soma 3,3 milhões de seguidores. O produtor de conteúdo também não pode criar novos canais para “driblar” a penalização.

Monark era um dos apresentadores do Flow Podcast e foi desligado do programa após ter feito comentários considerados por alguns como apologia ao nazismo. O influenciador buscava, então, criar um novo podcast em seu canal e seguir produzindo conteúdos na plataforma.
Na manhã desta sexta-feira (18), Monark disse, em suas redes sociais, que está sofrendo perseguição política da plataforma de vídeos.
“Recebi um e-mail hoje do YouTube dizendo que estou suspenso e não posso mais criar ou monetizar canais por causa dos meus comentários que foram infelizes, sim, mas de maneira alguma foram mal intencionados ou defenderam qualquer ideologia extremista. E eu sofri as consequências. Eu perdi o Flow, eu saí da empresa, eu pedi desculpas várias vezes, mas não acabam as retaliações”, disse o influenciador em vídeo. “Errar eu errei, mas as consequências estão muito fora de proporção”.
De acordo com trecho do e-mail enviado pela plataforma, também publicado pelo produtor de conteúdo, o YouTube cita que as recentes declarações violam as políticas de criação de conteúdo da plataforma. “Enquanto a suspensão permanecer, você não poderá criar um novo canal ou se utilizar de um canal de terceiros para burlar as restrições do Programa de Parceiros do YouTube”.
Conforme apuração da Gazeta do Povo, o e-mail enviado ao influenciador é autêntico e partiu do YouTube global, e não da representação brasileira da plataforma. Com as restrições, Monark pode continuar publicando vídeos em seu canal particular, que possui 3,3 milhões de seguidores, mas não poderá ser remunerado pela produção dos conteúdos.
Ele pode apelar da penalização, mas a plataforma pode ignorar o pedido e confirmar a punição. Nesse caso, apesar de as restrições não serem em definitivo – há usuários que após um período foram reabilitados a monetizar seus conteúdos –, elas têm tempo indeterminado para se manter.
As declarações de Monark que foram classificadas como apologia ao nazismo foram dadas em meio a uma discussão sobre regimes totalitários. O podcaster defendia que, da mesma forma que há, no Brasil, partidos que em seus nomes fazem apologia ao comunismo – a exemplo do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e do Partido Comunista Brasileiro (PCB) –, também deveria ser autorizada a criação de um partido nazista, uma vez que ambos são regimes totalitários.
Um grande número de pessoas, insatisfeitas com os comentários, passaram a pressionar patrocinadores do Flow Podcast, e o youtuber acabou sendo desligado do quadro societário da empresa.
No dia seguinte às declarações, Monark se posicionou negando enfaticamente qualquer referência positiva ao nazismo e afirmando que suas falas têm sido usadas fora de contexto para classificá-lo como apoiador do nazismo. “O nazismo é algo abominável. Qualquer pessoa que realmente pense ou tenha essas ideias tem que ser elucidada. Tem que educar essa pessoa para que ela deixe de pensar dessa forma. A gente não pode aceitar numa sociedade esse tipo de pensamento, que é criminoso, hediondo e nojento”.
À reportagem, o YouTube afirmou que até o momento não há posicionamento oficial sobre o assunto.

Deixe um comentário