Você está visualizando atualmente Brasil não assina declaração da cúpula pela paz na Ucrânia

Brasil não assina declaração da cúpula pela paz na Ucrânia

Brasil não assina declaração da cúpula pela paz na Ucrânia

O Brasil não assinou neste domingo (16), a declaração final da cúpula pela paz na Ucrânia, ocorrida neste fim de semana em Lucerna, na Suíça. 

Lula, como mostramos, recusou-se a comparecer ao evento, alegando que a cúpula não alcançaria seu objetivo pela paz sem o envolvimento dos russos nas negociações. Ele enviou a embaixadora do Brasil na Suíça, Cláudia Fonseca Buzzi, para participar do evento. 

O presidente brasileiro foi convidado para a cúpula tanto pelo chanceler da Suíça, Ignacio Cassis, quanto pelo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky.

Além do Brasil, que participou como observador, a Arábia Saudita, o México, a Índia, a África do Sul e a Indonésia não assinaram a declaração final. 

A lista de signatários inclui 80 nações, além da Comissão Europeia, o Parlamento Europeu e o Conselho da Europa.

O comunicado final da cúpula “reafirma a integridade territorial” da Ucrânia e apela pela troca de prisioneiros de guerra, além do regresso de crianças sequestradas pela Rússia. 

“Estamos em guerra, não temos tempo, então o trabalho para a próxima reunião deve levar meses, não anos. Quando estivermos prontos, haverá uma nova cúpula e alguns países já se ofereceram para acolher”, afirmou Zelensky.

Na sexta-feira (14) o autocrata russo Vladimir Putin propôs um cessar-fogo na Ucrânia se Kiev começasse a retirar as tropas das regiões de Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporijia, anexadas por Moscou em 2022, e abandonasse os planos de adesão à Otan.

As reivindicações, na prática, constituem uma exigência de rendição da Ucrânia.

As condições expostas por Moscou foram rejeitadas imediatamente por Kiev, pelos Estados Unidos e pela Otan.

Já a diplomacia brasileira insiste na necessidade de negociações para a paz, mas uma negociação favorável aos invasores russos.

Lula já deu várias declarações controversas sobre o conflito, inclusive uma na qual disse que o governo de Kiev, vítima da invasão, também era responsável pela guerra. Em outra ocasião, disse que o apoio ocidental aos ucranianos estava apenas prolongando o conflito. Ou seja, Lula propagandeia a versão do Kremlin sobre a guerra.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário