Você está visualizando atualmente Chile rejeita pela segunda vez substituir Constituição

Chile rejeita pela segunda vez substituir Constituição

Chile rejeita pela segunda vez substituir Constituição

Os chilenos rejeitaram neste domingo (17),  pela segunda vez, a proposta de substituir a Constituição do país por uma nova versão. Com mais de 90% das urnas apuradas, 56% da população votou contra e 44%, a favor do texto.

Em setembro de 2022, a população chilena rechaçou a proposta gestada pela esquerda, como a de instalar um Estado plurinacional e uma Justiça indígena, quebrando com a unidade nacional. A proposta foi rejeitada por 63% a 37%.

A ideia de que o Chile precisava de uma nova Constituição surgiu como uma tentativa de aplacar os protestos que paralisaram o país em 2019. Embora não fosse uma demanda clara, os políticos abraçaram a ideia.

O voto foi obrigatório a todos os cidadãos chilenos com domicílio eleitoral no país.

O texto rechaçado em 2022 destacava, entre outras coisas, a paridade de gênero e proteções ambientais extensas contra as mudanças climáticas. Muitos chilenos consideraram a proposta radical demais.

Com o fracasso, uma comissão de especialistas foi formada para escrever a versão constitucional rejeitada neste domingo.

Um dos artigos mais polêmicos do novo projeto dizia que a “lei protege a vida do nascituro”. A proposta apresenta uma ligeira mudança na redação do documento atual e alguns acreditam que poderia tornar o aborto totalmente ilegal no país. Desde 2017, o aborto só é permitido no Chile por três motivos: quando a vida da mãe está em perigo, quando o feto ou embrião é inviável e quando a gravidez é fruto de estupro.

Até o final de novembro, nenhum dos levantamentos realizados pelos principais institutos de pesquisa chilenos indicava a aprovação do texto. Uma pesquisa da Plaza Publica Cadem mostrou que só 38% se dizem a favor, e 46% são contra o novo documento.

presidente Gabriel Boric já afirmou que não buscará uma terceira reformulação constitucional. No entanto, ele poderá tentar emendar o texto atual para incluir sugestões populares, como a expansão dos direitos reprodutivos e ambientais.

A Constituição chilena remonta ao governo do general Augusto Pinochet e foi alterada diversas vezes depois da queda do ditador.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário