Você está visualizando atualmente Justiça da Argentina aceita ação contra “megadecreto” de Milei

Justiça da Argentina aceita ação contra “megadecreto” de Milei

Justiça da Argentina aceita ação contra “megadecreto” de Milei

A Justiça da Argentina vai analisar a constitucionalidade das medidas assinadas pelo presidente Javier Milei, para acelerar a desregulamentação da economia do país. A ação foi proposta pelo ex-diretor do Banco Nacional Claudio Lozano e representantes do Observatório do Direito à Cidade como uma demanda coletiva. 

Lozano e o Observatório acusam a presidência de abuso de poder e “violação dos direitos coletivos” e pedem a anulação total do chamado “megadecreto”, publicado na quarta-feira, 20.

O grupo afirma que os decretos de Milei configuram “desvio de poder e abuso do direito público, por violar o princípio republicano, a divisão de poderes, a democracia, o princípio da lei e os direitos coletivos da cidadania argentina”, segundo os jornais Clarín e La Nacion.

A entidade classifica como “antidemocrática” a decisão do presidente de assinar decreto com mais de 300 reformas previstas. Os Decretos de Necessidade e Urgência (DNU) não precisam passar pelo Congresso para entrar em vigor.

O pedido será analisado pelo juiz federal Esteban Fumari.

Em anúncio transmitido em rede nacional na noite de quarta, Milei anunciou 30 medidas. As principais envolvem a eliminação de políticas de controle de preços previstas na Lei de Abastecimento, além de restrições às exportações.

Há também a transformação de empresas estatais em sociedade anônimas (S.A.s) como primeiro passo para a sua privatização.

Como mostramos, Milei convocou sessões extraordinárias do Congresso do país para acelerar as reformas de Estado, anular a medida que aumentou a isenção do imposto de renda, e estabelecer boletim único para futuras eleições.

Esse pacote com 11 projetos de lei não pode ser alterado por Decretos de Necessidade e Urgência (DNU) e por isso estavam fora do anúncio da última quarta. O instrumento tem sido usado pelo presidente argentino para desregulamentar a economia.

Fonte: O Antagonista

Deixe um comentário