Você está visualizando atualmente Ameaça a juízes e desembargadores no Amazonas podem levar empresário Durango Duarte à prisão

Ameaça a juízes e desembargadores no Amazonas podem levar empresário Durango Duarte à prisão

Ameaça a juízes e desembargadores no Amazonas podem levar empresário Durango Duarte à prisão

Ataque ao Judiciário e ao Estado Democrático de Direito, segundo jurisprudência do TSE, não pode ser tolerado

Empresário ameaçou presidente do TRE-AM, desembargador João Simões, e disse que iria “enrrabar” poder judiciário

Áudios vazados confirmam tentativa de criminalizar institutos de pesquisa do Amazonas

Durango Duarte vem atuando na coordenação de campanha de Capitão Alberto Neto e usando o PL para seus interesses pessoais

Após repercussão, Durango que entrou na história do Amazonas por ter seu Titulo de Cidadão cassado pela Assembleia Legislativa, pediu desculpas

O Rei Está Nu

Já dizia o velho ditado: “tem gente que pode muito, mas não pode tudo”.

Ontem (10), foi um dia em que o “rei ficou nu”.

Máscaras caíram e verdades vieram à tona para toda a imprensa e sociedade do Amazonas quando áudios do empresário gaúcho Durango Duarte, conhecido no meio político pela sua arrogância, truculência e prepotência, emergiram, revelando uma tentativa de criminalizar os institutos de pesquisa do Amazonas e induzir o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM) ao erro, com mentiras e muitas ameaças ao poder judiciário.

Crime

Durango cometeu um crime contra os juízes e desembargadores, contra os institutos de pesquisa e opinião, contra partidos políticos, contra a sociedade e principalmente contra o Estado Democrático de Direito.

Isso não só é suficiente para a abertura de investigação do Ministério Público Estadual (MP-AM), do Ministério Público Federal (MPF), da Polícia Federal (PF), do Conselho Federal de Estatística (Confe), como deveria levá-lo à prisão.

Jurisprudências, motivos e provas existem e são mais que suficientes.

Áudios

Em áudios que circulam na internet, Durango ameaçou e pressionou o Judiciário para cancelar uma reunião proposta pelo presidente do TRE-AM a pedido de nove institutos de pesquisa eleitoral do Amazonas.

Estes institutos têm sofrido tentativas de criminalização por alguns partidos políticos, manobrados pelo próprio Durango, que buscam desqualificar e cercear a divulgação de estudos eleitorais essenciais para o processo democrático, com suposições e ilações sem fundamento técnico e jurídico, tentando induzir a corte ao erro.

Ameaças

Durango foi explícito em suas ameaças e chegou a afirmar que iria “enrrabar” os juízes e desembargadores.

“Eu vou destruir essa reunião. Eu vou denunciar o desembargador João Simões por abuso de autoridade e conluio com estudos fraudulentos.”

Entenda o Caso

Durango Duarte é um velho conhecido na política local, com contratos milionários no setor público, onde fez fortuna vendendo facilidades, ilusões e pesquisas eleitorais.

Fraudes

Ele já respondeu a diversos processos por fraude eleitoral em suas pesquisas e ficou notório por erros em seus levantamentos, como em 2014, quando divulgou que Eduardo Braga ganharia o governo do Amazonas no primeiro turno contra José Melo. Inclusive, ele perdeu uma aposta para o radialista Ronaldo Tiradentes de R$ 100 mil e implorou para ele parar de expor seus erros em seu programa de rádio.

Em 2022, Durango divulgava que Eduardo Braga estava empatado com Wilson Lima na disputa pelo governo do Amazonas.

Nas Sombras

Este ano, ele decidiu retirar seu instituto de pesquisas do processo eleitoral e se dedicar a consultorias para partidos políticos e pesquisas internas, como é o caso do PL, do pré-candidato Capitão Alberto Neto, campeão de ações contra os institutos de pesquisa eleitoral do Amazonas, sendo orientado e manipulado por Durango.

Coincidência

Coincidentemente, a única pesquisa que Alberto Neto não tentou impugnar foi uma feita mês passado, divulgada ontem, pela Veritá, que o coloca em primeiro lugar na corrida eleitoral, à frente de David, Amom e Cidade.

Pesquisa essa que diverge de 30 pesquisas eleitorais, realizadas entre 2023 e 2024, por 14 institutos, que apontam que Alberto Neto nunca chegou a liderar a corrida eleitoral. Pelo contrário, só vem caindo.

Reação

Diante disso, nove institutos de pesquisa eleitoral – Direto ao Ponto, Pontual, Ipen, Action, Eficaz, IDP, Projeta, EAS, Icepam -, que vêm sofrendo tentativa de criminalização, formalizaram um pedido e solicitaram uma audiência com os desembargadores e juízes membros do TRE-AM para dar e buscar esclarecimentos e colocar luz na tentativa de interferência eleitoral de um grupo político na corte eleitoral.

Despacho

O pedido foi despachado e atendido conforme a solicitação 0000242764, encaminhado ao Dr. Marcelo Manuel da Costa Vieira, Coordenador do Comitê de Combate à Desinformação (Portaria TRE/AM nº 522/2024, 0000230257), para que seja agendada uma reunião com o objetivo de proporcionar esclarecimentos por parte daqueles institutos a este Tribunal, em razão de acontecimentos recentes e fatos relacionados a partidos políticos, que supostamente estariam tentando criminalizar os estudos eleitorais devidamente registrados, subsequentemente induzindo esta Corte ao erro.

Convocação

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), desembargador João Simões, convocou uma reunião geral com institutos de pesquisa eleitoral, partidos políticos e a imprensa para o próximo dia 17 de julho.

O objetivo declarado da reunião, conforme o presidente do TRE-AM, é discutir a integridade do processo e das pesquisas eleitorais.

Estopim

Por conta dessa reunião, Durango Duarte ameaçou o presidente do TRE-AM, desembargador João Simões, e demais membros da corte.

Após a repercussão, voltou atrás em suas palavras e pediu desculpas.

“Gostaria de me dirigir ao presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas, desembargador João Simões, para expressar minhas sinceras desculpas.”, disse ele em um trecho da nota.

Confirmado

À imprensa, o presidente do TRE-AM, desembargador João Simões, reiterou que a reunião está confirmada para o próximo dia 17 de julho.

Histórico de Ameaças

Não é a primeira vez que Durango ameaça membros do Poder Judiciário.

Ele também já ameaçou membros do Poder Executivo e Legislativo.

Em razão dessas ações, teve seu Título de Cidadão do Amazonas, recebido em 2017, revogado pela Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) em 2021, sob o comando na época do ex-deputado e atual conselheiro do TCE, Josué Neto.

Durango entrou na história do Amazonas como a primeira pessoa a ter essa honraria cassada desde a redemocratização do país.

Investigações

Recentemente, ele foi alvo de investigação no Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) por um contrato que sua empresa fechou com a prefeitura de Manaus, no valor de R$ 19 milhões, para pagar influenciadores digitais com valores de R$ 10 mil a R$ 99 mil por mês para publicidade do governo municipal.

Verdadeiro interesse

A recente polêmica envolvendo Durango Duarte revela uma tentativa desesperada de manipulação e intimidação no cenário político de 2024, mas com um verdadeiro interesse na disputa de 2026.

As ameaças ao Poder Judiciário, os ataques aos institutos de pesquisa e à democracia não só expõem táticas questionáveis, mas também destacam a importância de um processo eleitoral justo e transparente.

É crucial que as instituições respondam de maneira firme e justa, garantindo que ações intimidatórias não passem impunes e preservando a integridade do Estado Democrático de Direito.

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaoponto.am

TikTok: @diretoaoponto.am

Twitter: @diretoaoponto1_

Fale com a gente:

Receba a coluna no seu WhatsApp: 92 98422-0558

Redação: 92 98566-4150

Editor-chefe: 92 99109-1099

Deixe um comentário